Estados Unidos da América

Procurador-Geral norte-americano com “tolerância zero” para imigrantes ilegais

O número de detenções na fronteira com o México aumentaram relativamente ao ano passado. EUA querem reforçar as sanções para combater falsos pedidos de asilo político.

MICHAEL REYNOLDS/EPA

O Procurador-geral norte-americano, Jeff Sessions, anunciou na segunda-feira um plano de “tolerância zero” para os imigrantes que atravessam a fronteira do México sem documentação, que poderá causar, em alguns casos, a separação de famílias.

“Estas ações tornaram-se ainda mais necessárias devido ao aumento maciço de travessias ilegais nos últimos meses”, declarou o antigo senador republicano do estado do Alabama, aludindo depois a números que apontam para um aumento de 55% do número de detenções na fronteira em relação ao ano passado.

“Se alguém passar a fronteira ilegalmente, nós iremos julgá-lo, é tão simples quanto isso”, explicou. A condenação pela entrada ilegal nos Estados Unidos tem como pena máxima seis meses de prisão, se for a primeira vez, mas se a pessoa for reincidente, a pena pode ir até dois anos. Segundo o titular do Departamento de Justiça norte-americano, esta decisão de agravar as sanções tem como principal objetivo combater aquilo a que chamou falsos pedidos de asilo político.

De forma a cumprir esta estratégia, de analisar os casos de todos aqueles que chegam aos Estados Unidos sem a devida documentação, 35 procuradores foram enviados para a fronteira sul do país, além de 18 juízes de imigração, que vão ocupar “todo o seu tempo” a debruçar-se principalmente sobre os pedidos de asilo, explicou o republicano de 71 anos.

“Não duvido de que muitos dos que atravessam ilegalmente a nossas fronteiras deixem para trás situações difíceis, mas não podemos receber todos aqueles que estão numa situação difícil”, disse Sessions, durante a visita à fronteira que separa San Diego de Tijuana (México), ao lado do diretor dos Serviços de Imigração e Alfândegas, Thomas D. Homan.

A Amnistia Internacional (AI) classificou a separação de crianças das respetivas famílias, quando são detidas por entrarem nos Estados Unidos de forma ilegal, como uma “política monstruosa que atenta contra os direitos humanos”. Em comunicado, a diretora executiva da AI nos Estados Unidos, Margaret Huang, declarou que “a ideia de que as crianças podem ser protegidas separando-as das suas famílias desafia a lógica e a humanidade”.

“Essas crianças já sofreram o trauma da violência e da perseguição nos seus países de origem, além de uma jornada árdua em busca de um lugar seguro”, argumentou.

A diretora da organização no continente americano, Erika Guevara-Rosas, defendeu que “criminalizar e estigmatizar” os pais que só querem proporcionar segurança aos seus filhos causará “danos incalculáveis” a essas pessoas. Para Erika Guevara-Rosas, forçar os imigrantes a regressarem aos seus países de origem, onde podem ser perseguidos, “é uma violação da obrigação que os EUA têm” em conformidade com a legislação sobre os refugiados.

O número de imigrantes detidos na fronteira EUA-México subiu 223% em abril passado em comparação com o mesmo mês do ano passado.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)