INEM

INEM estuda a criação de incentivos para fixar médicos no instituto

O presidente do INEM garante que está a trabalhar com o Ministério da Saúde na criação de incentivos para fixar médicos e minorar o recurso a contratação por prestação de serviço.

NUNO VEIGA/LUSA

O Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) quer criar incentivos para fixar médicos e está a trabalhar com o Ministério da Saúde nesse sentido, reconhecendo que há um défice destes profissionais “há muitos anos”.

O presidente do INEM começou a ser ouvido na manhã desta quarta-feira na comissão parlamentar de Saúde, com a maioria dos partidos a questionar o responsável sobre o défice de recursos humanos e sobre o aumento do tempo de demora no atendimento das chamadas verificado no ano passado.

Sobre o défice de recursos humanos, Luís Meira reconheceu que há carências e que também se tem registado um aumento dos acidentes de serviço e do absentismo, porque vários profissionais “estão muito desgastados”. “Mas estamos focados em garantir o aumento dos recursos humanos”, disse o presidente do instituto.

Sobre os médicos, Luís Meira reconheceu que “há um problema”, mas frisou que “não é de agora”: “É um problema com muitos anos e que nunca foi resolvido. Mas não é igual a dizer que não existem médicos. Temos 300 médicos em prestação de serviço a assegurar funções importantes, como nos Centros de Orientação de Doentes Urgentes (CODU) e nos helicópteros”, afirmou.

Em comparação com o ano anterior, Luís Meira disse que há no INEM mais 40 médicos em regime de prestação de serviço. Mas o presidente do instituto reconhece que a “atratividade [do INEM] para um médico” é uma questão que “nunca foi resolvida” e garantiu estar a trabalhar com o Ministério da Saúde para tentar “consagrar a possibilidade de incentivos para fixar médicos”, de modo a minorar o recurso a contratação por prestação de serviço.

Sobre o aumento, medido em segundos, do atendimento das chamadas pelo INEM, Luís Meira garante que isso não tem reflexo na assistência médica pré-hospitalar, sublinhando que deve ser valorizado o tempo que demora o socorro a chegar às vítimas.

De 2016 para 2017 o tempo de demora de um meio do INEM a chegar ao local do socorro melhorou, disse o responsável, aumentando a percentagem de meios que chegou juntos das vítimas em menos de 15 minutos nas zonas urbanas e em menos de 30 minutos nas zonas rurais.

“Também estou preocupado com o aumento em segundos do tempo médio para atendimento em CODU”, admitiu, frisando, contudo, que “é mais importante garantir que os meios chegam junto de quem precisa o mais rapidamente possível”.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)