Rádio Observador

Cultura

Terceira edição ARCOlisboa marcada pela expansão com 72 galerias e novos conteúdos

Organizadores do evento dizem que a terceira edição coloca "Lisboa no centro da arte europeia". 27 das galerias participantes são portuguesas. Feira está aberta entre os dias 17 e 19 de maio.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

A Feira Internacional de Arte Contemporânea de Lisboa regressa neste mês a Lisboa, para a terceira edição, com 72 galerias e novos conteúdos, marcada pela “expansão” e por colocar “Lisboa no centro da arte europeia”. A ideia foi defendida pelos organizadores do evento, em primeiro lugar por Eduardo López-Puertas, diretor da Feira de Madrid (IFEMA), que organiza a ARCOmadrid, em Espanha, durante uma conferência de imprensa realizada na Câmara Municipal de Lisboa, pela Casa da América Latina em Lisboa, uma das entidades organizadoras.

“A ARCO tornou-se uma referência da arte contemporânea em Portugal, e tornou Lisboa um dos focos atrativos em termos de arte”, afirmou o responsável, considerando que a confiança mostrada nas edições anteriores permitiu aumentar a oferta. Este ano, participam 72 galerias oriundas de 14 países, sendo que 27 são portuguesas.

Em termos de expansão e de novos conteúdos, Eduardo López-Puertas destacou que haverá dez projetos individuais de artistas que pela primeira vez ocupam o Torreão Poente da Cordoaria, e 13 galerias que participam pela primeira vez, numa edição que cresceu 22,5% face à do ano anterior. “Estou convencido de que será uma grande feira, uma oportunidade para conhecer novos talentos e uma plataforma de difusão internacional”, disse, sublinhando que a ARCOlisboa se tornou “uma referência no âmbito da arte europeia”.

O diretor da ARCOlisboa, Carlos Urroz, destacou por sua vez uma outra novidade este ano, um espaço de atividades para crianças dos 5 aos 12 anos, que aproximarão os mais pequenos do mundo da arte contemporânea. Também a galerista Cristina Guerra, membro do Comité Organizador da ARCOlisboa, apontou o “crescente interesse pela arte e pela arte contemporânea em Portugal”, lançando um repto ao Governo para que olhe para esta realidade e permita que o “Orçamento do Estado seja um bocadinho maior”.

“Cada vez há mais interesse pela arte portuguesa e isso para nós é extremamente importante”, afirmou, destacando que, na edição do ano passado, foram principalmente belgas que compraram arte. “É impressionante o colecionismo que existe na Bélgica e o interesse pela arte portuguesa e espanhola. Os espanhóis também compram cá, mas impressionante é a quantidade de belgas que vêm a Lisboa e se interessam pela arte portuguesa”, disse.

O presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Fernando Medina, lembrou que “Lisboa é o primeiro local de internacionalização da ARCO” e sublinhou igualmente a ideia de que esta “é a edição da expansão”. “Hoje estamos na terceira edição, com a consciência de que crescemos juntos. Os artistas e os galeristas estão mais confiantes e esta edição tem esta característica: confiança no caminho que já fizemos e a expansão e o alargamento, que são os benefícios da ARCO em Lisboa”.

O autarca ressaltou também o “papel importante” desta feira na “consolidação da cidade de Lisboa como capital global”, e como “momento central de desenvolvimento da cidade”. “Temos um conjunto de cinco edições, com as quais aprendemos formas de trabalhar melhor e de fazê-las crescer, e [atualmente] estamos a atingir um resultado que prova esta aposta”, acrescentou.

Em fevereiro, a Câmara Municipal de Lisboa anunciou um investimento de 180 mil euros, como comparticipação financeira para a terceira edição da ARCOlisboa, e assinou um protocolo para a continuação da feira na capital portuguesa até 2020. A secção principal da ARCOlisboa contará com uma seleção de 60 galerias nacionais e internacionais feita pelo Comité Organizador da ARCOlisboa 2018, cujos trabalhos selecionados incluem as vanguardas históricas, os clássicos contemporâneos e a arte atual.

“Opening”, o espaço dedicado a galerias jovens (com um percurso de sete anos no máximo), que este ano celebra a sua segunda edição, apresentará 12 projetos, novamente selecionados pelo comissário João Laia. As novas galerias são tanto de Lisboa, com a presença de Balcony e Uma Lulik, como internacionais, como Rolando Anselmi (Berlim/Roma), Bombon (Barcelona) ou Copperfield (Londres).

Outra iniciativa presente na ARCOlisboa, desde a sua origem, será “As Tables Are Shelves”, a feira de editores independentes organizada por Luiza Teixeira de Freitas. A seleção de editoras especializadas em publicações de artistas e outras investigações em papel crescerá para ocupar uma das salas do Torreão Nascente, segundo a organização.

O certame terá uma colaboração com a Trienal de Arquitetura de Lisboa, e os visitantes poderão desfrutar de um novo espaço de restauração, criado por Atelier JQTS, em colaboração com o artista Carlos Nogueira. Por outro lado, o Fórum de Museus irá abordar as semelhanças e diferenças entre os programas de museus portugueses e internacionais.

Noutra linha, a feira irá desenvolver uma colaboração com museus como o de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), Coleção Berardo, Serralves, Calouste Gulbenkian e Centro de Arte Quetzal, entre outros, assim como com escolas e universidades comn cursos de arte do país, visando desenvolver um programa especial para aproximar, público em geral e estudantes, à arte contemporânea. A ARCOLisboa 2018 está aberta ao público de 17 a 19 de maio, das 14h00 às 21h00, e, no dia 20, das 12h00 às 18h00.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)