INEM

Trabalhadores do INEM denunciam falhas nos sistemas e trabalho baseado em horas extra

Sistema informático tem falhas constantes que complicam os tempos de espera. Também a falta de recursos humanos no INEM é "gritante e crónica", pelo que os trabalhadores fazem horas extraordinárias.

Tiago Petinga/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Trabalhadores do INEM alertaram esta quarta-feira no parlamento para falhas no sistema informático e para uma cartografia obsoleta, que podem atrasar tempos de resposta, avisando que o trabalho do instituto só é possível com recurso a horas extraordinárias dos profissionais.

Liliana Santa, da comissão de trabalhadores do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), disse aos deputados que a falta de recursos humanos é “gritante e crónica”, sendo transversal a todo o tipo de profissionais que trabalha no instituto.

Além deste problema, a comissão de trabalhadores avisa que o sistema informático do INEM “está obsoleto” e tem falhas: “A nossa cartografia não está atualizada. É necessário urgentemente atualizar a cartografia e até ao momento isso não se verificou. Andamos à espera da atualização da cartografia há muitos anos”, afirmou Liliana Santa. A cartografia é fundamental para os trabalhadores do INEM chegarem mais rapidamente ao local de socorro.

Também o sistema informático nos centros de atendimento do INEM é lento e tem falhas, mesmo enquanto os profissionais estão em linha com chamadas de emergência.

Temos um sistema lento. Não há material para repor. Estamos a atender e o sistema falha, ficamos com a ficha pendente. Isto tem sido reportado sistematicamente e até hoje não está resolvido. Isto acaba por complicar o acionamento de meios e tudo isso complica os tempos de chamada e os tempos de acionamento”, referiu a representante dos trabalhadores aos deputados da comissão parlamentar de Saúde.

Ainda sobre os recursos humanos, a comissão de trabalhadores refere que o trabalho do INEM é “assente na sua maioria em horas extraordinárias”, sendo que muitos dos profissionais já esgotaram e ultrapassaram o limite de 60% de remuneração em horas extras, continuando ainda assim a cumprir trabalho suplementar.

Este alerta foi também deixado na comissão parlamentar pelo Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar, que indicou que a carência de profissionais é notória e que “todos os dias o INEM funciona com base em trabalho suplementar”. A comissão de trabalhadores do instituto reconhece que a maioria dos problemas do INEM se arrasta há vários anos e que é transversal a várias direções e também governos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Saúde

A necessidade da informação na Saúde Mental

Miguel Mealha Estrada
442

Existem mitos que podem ser fatais: “quem se quer matar não avisa”. A verdade é que 80% dos jovens avisam que se vão suicidar, sendo que esses avisos não devem ser ignorados, antes levados bem a sério

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)