INEM

Vários meios do INEM pararam em 2017 porque trabalhadores foram combater incêndios

Durante os meses de incêndios, em 2017, vários trabalhadores do INEM saíram do CODU e deixarem as ambulâncias para combater incêndios. Luís Meira pede revisão da lei no que diz respeito ao INEM.

JOÃO RELVAS/LUSA

O presidente do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM) denunciou esta quarta-feira que um “número significativo” de turnos e vários meios de emergência não foram assegurados no ano passado, porque os trabalhadores tiveram de combater incêndios ao abrigo da lei.

Luís Meira, que foi ouvido na Comissão de Saúde, adiantou que a lei, publicada em 2 de junho de 2017, que define o regime jurídico aplicável aos bombeiros portugueses, “veio condicionar sobremaneira aquilo que é a possibilidade de garantir turnos no CODU [Centros de Orientação de Doentes Urgentes] e o funcionamento de vários meios de emergência”.

Foi uma lei da responsabilidade dos senhores deputados” que veio “impedir que trabalhadores do Instituto, que são bombeiros voluntários, e que têm a respetiva acumulação de funções”, exercessem a sua atividade, “desfalcando o CODU e desfalcando os meios de socorro”.

Esta situação aconteceu no ano passado. “Houve um número significativo de turnos do CODU que deixaram de ser assegurados por trabalhadores que ao abrigo desta lei foram combater incêndios”, lamentou.

“Eu não digo que esta questão não é importante, mas a verdade é que se calhar alguns desses bombeiros eram bem precisos para garantir socorro efetivo a pessoas efetivas, reais que tiveram necessidade e que por causa disso se calhar não tiveram esse socorro de forma tão atempada”, salientou Luís Meira.

O presidente do INEM adiantou que esta situação teve um “impacto efetivo no que aconteceu durante os meses dos incêndios”, em que vários trabalhadores do INEM saíram do CODU e deixarem as ambulâncias para combater incêndios.

Perante esta situação, Luís Meira apelou aos deputados para rever a lei no que diz respeito ao INEM, tendo em conta que mais de metade dos operacionais são bombeiros.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)