Rádio Observador

Moçambique

Afonso Dhlakama sepultado num cemitério familiar

Uma semana depois de ter falecido, aos 65 anos, Afonso Dhlakama, presidente da Renamo, foi sepultado. Foi montado um recinto para a cerimónia religiosa católica.

RICARDO FRANCO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Afonso Dhlakama, presidente da resistência nacional moçambicana (Renamo), foi sepultado esta quinta-feira num cemitério familiar envolvido por uma floresta, uma semana depois de morrer refugiado noutra, na Serra da Gorongosa.

A sua aldeia Natal, Mangunde, 300 quilómetros a sudoeste da cidade da Beira, transfigurou-se para receber milhares de pessoas. Uma aldeia que até há poucos anos não era servida sequer pela estrada de terra batida que tem hoje foi obrigada a improvisar um parque de estacionamento para dezenas de carros e alguns autocarros.

Um recinto foi montado para a cerimónia religiosa católica, celebrada em português e em ndau, língua local, junto das casas do pai de Dhlakama e de outros familiares. À família de Dhlakama juntou-se a de André Matsangaissa, primeiro presidente da Renamo, que deixou uma mensagem: que a liderança a ser eleita na Renamo continue com o projeto de reforço da democracia dos dois líderes históricos.

As forças de defesa e segurança de Moçambique, contra as quais Dhlakama lutou de arma na mão, prestaram-lhe a derradeira homenagem com uma salva de espingarda a ecoar pela floresta que envolve a aldeia. Dhlakama começou a ser sepultado pelas 11h30 (menos uma hora em Lisboa), sempre rodeado por um mar de gente.

Aron Dhlakama, tio do líder da oposição moçambicana, recebeu as mensagens lidas na cerimónia fúnebre e, no final, ainda tentou falar aos jornalistas da surpresa que foi a morte do sobrinho, mas não conseguiu, emocionado. Maria Ramos, professora do ensino secundário, na província da Zambézia, chorava também, porque via Dhlakama como um “messias”. Para ela, há que lutar na arena política até haver a paz definitiva.

Ussumane Mussagy, membro da Renamo em Inhambane, queixa-se de uma “dor profunda”, enquanto Álvaro António, membro da Renamo em Mocimboa da Praia, lembra-se da voz tranquila do líder. “Sempre tinha uma solução”, recorda.

Afonso Dhlakama foi sepultado num funeral oficial decretado pelo Governo, em cumprimento do estatuto de líder da oposição. O líder da Renamo morreu no dia 3 de maio, aos 65 anos, na Serra da Gorongosa, devido a complicações de saúde.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A sobrevivência do socialismo /premium

André Abrantes Amaral

O socialismo é a protecção de um sector contra os que ficam de fora. O desejo de ordem e a desresponsabilização é natural entre os que querem segurança a todo o custo.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)