As Nações Unidas anunciaram esta quinta-feira que, pela primeira vez na sua história, têm tantas mulheres como homens a liderar as equipas da organização nos países de todo o mundo. De acordo com as Nações Unidas, com as últimas nomeações, o organismo atingiu a paridade de género entre os seus coordenadores residentes, que são os responsáveis pelas equipas das Nações Unidas em cada Estado.

Com este resultado, a paridade estende-se a todos os escalões superiores da organização, objetivo que já havia sido alcançado no caso dos diretores mais graduados da sede em Nova Iorque, cumprindo-se uma promessa do secretário-geral, António Guterres. “O secretário-geral vê a paridade de género em todos os níveis das Nações Unidas como uma prioridade, não apenas para melhorar a eficácia do nosso trabalho, mas também para acabar com os desequilíbrios de poder que contribuem para o assédio sexual, exploração e abuso”, disse Stéphane Dujarric, porta-voz do secretário-geral das Nações Unidas.

O responsável acrescentou que António Guterres vai procurar um progresso rápido com o objetivo de conseguir a paridade em todos os escalões do sistema das Nações Unidas.