Rádio Observador

Crédito à Habitação

Reembolsos totais antecipados no crédito à habitação registaram máximos em 2017

Os reembolsos totais antecipados do crédito à habitação atingiram máximos em 2017, estando a ser feitos principalmente pelos devedores mais velhos, sem recorrer a novos empréstimos.

Paulo Cunha/LUSA

Os reembolsos totais antecipados do crédito à habitação atingiram máximos em 2017, estando a ser feitos principalmente pelos devedores mais velhos, sem recorrer a novos empréstimos, divulgou esta quinta-feira o Banco de Portugal (BdP). No Boletim Económico publicado esta quinta-feira, o BdP refere que, depois de os reembolsos totais antecipados de empréstimos à habitação se terem reduzido até meados de 2014, “aumentaram significativamente nos anos seguintes, registando valores máximos em 2017”.

De acordo com o banco central, a maior parte do montante dos reembolsos totais antecipados “deve-se a devedores que não contraem um novo empréstimo à habitação, sugerindo que a troca de casa ou de banco tem um contributo reduzido para o dinamismo observado nos reembolsos do crédito à habitação”. Segundo o BdP, o aumento dos reembolsos antecipados no crédito à habitação nos últimos anos “pode estar relacionado com o aumento do diferencial entre as taxas de juro dos empréstimos e dos depósitos e com o facto das taxas de juro dos depósitos se situarem em valores próximos de zero”.

Ao mesmo tempo, “num contexto de aumento muito significativo dos preços da habitação, estes reembolsos totais antecipados podem estar ainda associados à venda de imóveis sem envolver a contratação de novos empréstimos para compra de habitação por parte destes devedores”, admite a instituição, recordando que o peso das vendas de imóveis usados no total de transações de imóveis aumentou consideravelmente desde 2009.

Por outro lado, a maior parte do montante de novos empréstimos é concedido a devedores que não efetuaram reembolsos totais antecipados de empréstimos à habitação nos seis meses anteriores. “Assim, a maior parte dos novos empréstimos para habitação deverá estar a contribuir para um acréscimo significativo dos montantes de dívida na posse dos indivíduos que os contratam”, afirma o Banco de Portugal.

Os devedores que efetuam reembolsos antecipados e não contraem um novo empréstimo “são mais velhos do que os que contraem um novo empréstimo”. Isto porque, admite o BdP, a compra da primeira habitação é em geral efetuada “em escalões etários relativamente jovens, assim como o facto do rendimento e da riqueza dos indivíduos aumentarem durante a vida ativa”. Assim, conclui o banco central, “a relativa estabilidade dos saldos agregados da dívida para compra de habitação esconde uma elevada heterogeneidade em termos da evolução da dívida por devedor”.

“Com efeito, na maioria dos casos, os devedores que contraem novos empréstimos à habitação e os devedores que efetuam reembolsos significativos deste tipo de crédito não coincidem, sendo os primeiros em média ligeiramente mais jovens. Assim, verifica-se em simultâneo uma redução significativa do montante de dívida na posse de alguns particulares e um aumento significativo do montante de dívida na posse de outros”, afirma o BdP. Já os devedores que efetuaram reembolsos totais antecipados têm rácios de endividamento relativamente baixos, uma vez que são em média mais velhos do que os restantes, termina o BdP.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)