O senador e antigo candidato republicano à Casa Branca John McCain afirmou opor-se à nomeação de Gina Haspel para chefiar a CIA (serviços secretos norte-americanos) por esta não “reconhecer a imoralidade da tortura”.

O papel de Haspel na supervisão da tortura pelos EUA é preocupante, a sua recusa em reconhecer a imoralidade da tortura desqualifica-a [para o cargo de diretora da CIA] e por isso defendo que o Senado deve exercer o seu dever (…) e rejeitar esta nomeação”, escreveu McCain, num comunicado divulgado na quarta-feira.

Gina Haspel foi nomeada para o cargo pelo Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Implicada nos interrogatórios em que elementos da rede terrrorista Al-Qaeda foram torturados em 2002, Haspel afirmou, perante uma comissão do Senado norte-americano, que o seu “código moral é sólido”.

Trump defende candidata a liderar a CIA acusada de práticas de tortura

“Na CIA, não permitirei que se prossigam atividades que considero imorais, mesmo que, tecnicamente, sejam legais. Não permitirei de todo”, disse Haspel, ao responder, na quarta-feira, à pergunta de um senador sobre se obedeceria a uma ordem direta de Donald Trump.

Candidata a liderar CIA promete que não autorizará tortura em interrogatórios

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

McCain, ex-militar, antigo prisioneiro de guerra no Vietname durante cinco anos e vítima de tortura, declarou que Haspel “não abordou devidamente as dúvidas” que recaem sobre ela, devido ao envolvimento que teve no programa de tortura norte-americano. Gina Haspel dirigiu, pelo menos durante parte de 2002, uma operação de prisão secreta da CIA na Tailândia, na qual suspeitos de pertencerem à Al-Qaeda foram frequentemente torturados.

De 61 anos, 33 dos quais passados na CIA, com sede em Langley, no estado da Virgínia, Gina Haspel beneficia do total apoio de Donald Trump. A candidata a diretora da CIA enfrenta um difícil processo de confirmação no Senado, pois os republicanos têm apenas 51 lugares contra 49 democratas.

Além de McCain, também o senador Rand Paul, aspirante à candidatura republicana à Casa Branca em 2016, pode vir a votar contra esta nomeação. A confirmar-se a recusa de Rand Paul, Gina Haspel vai precisar do apoio de alguns democratas.