Cabo Verde

Oposição cabo-verdiana pede explicações ao Governo sobre entrada da CGD no Fundo Soberano

O líder do maior partido da oposição cabo-verdiana disse que o anúncio da entrada da Caixa Geral de Depósitos no Fundo Soberano causa interrogação e que o seu partido quer explicações sobre o negócio.

ANTONIO COTRIM/LUSA

O maior partido da oposição cabo-verdiana manifestou-se esta sexta-feira “surpreso” com as negociações com vista à entrada da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no Fundo Soberano de Cabo Verde e pediu explicações sobre o funcionamento e operacionalização do fundo. Na quarta-feira, após um encontro com o seu homólogo português, Mário Centeno, o ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, disse que o Governo português já está a analisar a proposta apresentada pelo executivo cabo-verdiano com vista à entrada da Caixa Geral de Depósitos (CGD) no Fundo Soberano de Cabo Verde.

Em conferência de imprensa, o secretário-geral do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), Julião Varela, disse que o “anúncio surpresa” causa interrogação e que o seu partido quer explicações sobre o negócio. “Como explicar que o Governo autorize o INPS a entrar com 600 milhões de escudos (5,4 milhões de euros) no Afreximbank e vá pedir a Portugal que venha capitalizar o Fundo Soberano”, questionou Julião Varela.

O secretário-geral do maior partido da oposição cabo-verdiano pediu, por isso, ao executivo que explique em que consiste esse Fundo Soberano e com que reservas internacionais conta para a sua constituição, como pretende operacionalizá-lo e geri-lo. Para o partido, o anúncio da entrada da CGD no Fundo Soberano é um dos sinais que evidenciam “alguma desorientação”, considerando que isso pode “pôr em perigo os equilíbrios necessários à boa governação do país”.

“O ambiente macroeconómico não pode sofrer degradação e a credibilidade das instituições nacionais não pode sofrer erosões de forma ligeira”, afirmou. O Fundo Soberano de Investimentos Privados, dotado de um capital inicial de 100 milhões de euros, visa permitir que as empresas tenham acesso ao mercado externo bancário e de capitais para financiarem investimentos de maior envergadura. Na conferência de imprensa, o PAICV acusou ainda o Governo de estar a cobrar receitas que não foram previstas no Orçamento de Estado.

“As receitas dos vistos não foram previstas no Orçamento e estão a ser cobradas. Os encargos para o Estado resultantes do fundo de 500 milhões de escudos recentemente criado para financiar as empresas não foram orçamentados e os cerca de 2,5 milhões de escudos (22,6 milhões de euros) necessários à capitalização do Banco Central (BCV) não foram previstos no Orçamento de 2018”, adiantou Julião Varela.

Cabo Verde previa isentar de visto, a partir de janeiro de 2018, os turistas da União Europeia e do Reino Unido, não tendo previsto no orçamento essa receita, no entanto a isenção ainda não se concretizou. “Que credibilidade trás ao país um Governo que labora intencionalmente na situação de ilegalidade e é o primeiro a não cumprir as leis a que está vinculado”, manifestou Julião Varela.

O PAICV disse ainda esperar que a bancada parlamentar do MpD, partido que suporta a maioria, convença o Governo a tomar “medidas adequadas” para “sanar as várias ilegalidades” na execução do Orçamento do Estado de 2018. “Como sinal de maturidade e respeito pela legalidade, deve começar por corrigir os vários problemas criados na gestão orçamental do país, deve proceder à correta orçamentação das despesas e das receitas, cumprindo a lei vigente neste país que ainda é um Estado de Direito”, pediu o secretário-geral do PAICV.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)