Lifestyle

Organize a casa para arrumar a vida. Ou vice-versa

O Dia da Arrumação assinala-se a 20 de maio, mas a arrumação nas nossas casas quer-se ao longo de todo o ano. Qual será o segredo para manter um lugar para cada coisa e cada coisa no seu lugar?

Diz-me como arrumas, dir-te-ei quem és. Não é um provérbio, mas poderia muito bem ser. A arte de arrumar é um tema que desperta uma atenção crescente. Talvez porque a arrumação é algo que está diretamente relacionado com o nosso estilo de vida e o nosso modo de pensar. Ou talvez porque manter a casa arrumada ajuda a poupar tempo. Ou então, apenas porque todos gostariam de ter uma casa “instagramável”.  A verdade é que se escrevem livros e dão palestras sobre a arrumação e até há já quem faça disso profissão: os organizadores profissionais.

Para dar atenção ao tema, não precisa de acreditar piamente que a organização é um passo para reencontrar o foco e fazer as pazes consigo mesmo. Basta encará-la como algo que pode simplificar – e muito – os seus dias. Não seria maravilhoso não perder diariamente dez minutos à procura da chave do carro quando já está atrasado para o trabalho? Ou não precisar de desarrumar o resto da casa para encontrar o carregador do telemóvel? Ou saber sempre onde está aquela fatura de que agora precisa? Irritava-se menos e sobrava mais tempo para as coisas boas.

Foi a pensar em quem gosta de arrumar e também naqueles que, não gostando, têm de o fazer, que foi criado o Dia da Arrumação. Celebra-se no próximo dia 20 de maio no contexto do movimento #euqueroarrumar criado pela Ikea. A icónica marca sueca quer mudar para melhor a vida dos portugueses nas suas casas, ajudando-os a arrumar e a organizar o lar.

Partindo do estudo “A vida em casa dos Lisboetas”, que revela que 59% dos lisboetas diz ter tantas coisas em casa que não as consegue organizar, a Ikea decidiu desafiar o público a arregaçar as mangas e deitar mãos à obra. Como? Deitando fora o que já não faz falta, guardando o que é essencial e encontrando soluções de arrumação que satisfaçam as suas necessidades. O mesmo estudo revelou ainda que 27% sentem-se irritados pela sensação de desarrumação e 15% discutem, todas as semanas, sobre o tema arrumação. A quem é que nunca aconteceu?

Ao abrigo do movimento #euqueroarrumar, estão a ser realizadas várias iniciativas, entre as quais intervenções em casas de membros do programa Ikea Family. São famílias reais com necessidades urgentes ao nível da arrumação, que precisavam de ajuda profissional.

A lista de ações inclui também a realização de workshops nas lojas Ikea, no contexto do Dia da Arrumação. Os membros Ikea Family vão poder participar nestas sessões e aprender novas dicas de arrumação com duas bloggers que enfrentam nas suas vidas o “temível” desafio de manter a arrumação quando há crianças em casa. Catarina Beato (Dias de uma Princesa) e Rita Ferro Alvim (Socorro sou Mãe) foram desafiadas a responder a algumas perguntas e partilharam com os interessados a sua experiência sobre a questão das arrumações. São dicas preciosas, sobretudo para mães à beira de um ataque de nervos, com os carrinhos, lápis e bonecas espalhados, não pelos cantos da casa, mas por todo o lado onde se pise.

Catarina Beato garante que a estratégia para manter a casa arrumada passa por existirem espaços de arrumação e muitas caixas, de forma a que as crianças colaborem. Já Rita Ferro Alvim acredita que o truque é explicar-lhes que “só passam ao brinquedo seguinte depois de arrumarem o anterior”, ensinando-lhes o verbo “destralhar” como ponto de partida para guardarem apenas aquilo que os faz feliz.

Ambas as bloggers partilham da ideia que, se as crianças gostam de estar ao pé dos pais, então há que permitir que os brinquedos “invadam” a casa, desde que de forma organizada. Segundo Catarina Beato, “As divisões têm 4 cantos e um é sempre dos miúdos. Acredito que brinquedos, folhas e canetas podem existir no mesmo ambiente que uma mesa posta para um jantar de amigos. Lá está, um canto é dos brinquedos, três cantos são das outras coisas. Os brinquedos podem invadir de forma organizada e até bonita.” E se não quisermos que seja assim, para Rita Ferro Alvim, devem ser os pais a fazerem um esforço para estar mais nos espaços dos filhos e brincarem lá com eles.

Descubra outros dos truques e segredos das duas bloggers nos seguintes workshops:

Rita Ferro Alvim (Socorro sou Mãe)

19 de maio – “Como manter a casa arrumada com crianças”

Alfragide às 11h00 – Loures às 15h00

Catarina Beato (Dias de uma Princesa)

20 de maio – “Como manter a casa arrumada com crianças”

Matosinhos às 11h00 – Braga às 16h00

Outra das questões que se coloca é: Organizar a casa pode deixar de ser uma tarefa aborrecida? Estas duas mães acreditam que sim.  “Talvez porque para mim arrumar e organizar é um momento feliz e relaxante.”, diz Catarina, acrescentando que “depois há sempre aquela estratégia maravilhosa de arrumar as coisas em lugares diferentes e parece que comprámos coisas novas”. Fala a voz da experiência. Se é daquelas pessoas que fica cansada só de pensar em arrumações, até mesmo antes de começar, dê uma oportunidade a si próprio de descobrir que arrumar e organizar não têm de ser verbos “pesados”. Às tantas, descobre que consegue distrair-se enquanto arruma. E mesmo que não aconteça, o resultado final irá sempre compensar. E isto é válido tanto para os adultos como para os mais pequenos. “O erro mais comum é fazermos por eles e não com eles (…) É importante oferecemos técnicas para que eles aprendam a ser organizados. Tarefas, listas, metas. E mostrar resultados. As crianças gostam de ver o resultado do seu trabalho e sentirem que estamos orgulhosos deles. “. São palavras de Rita Ferro Alvim.

De qualquer forma, os portugueses estão todos convidados a participar no movimento, partilhando as suas frustrações e soluções através da hashtag #euqueroarrumar e contribuindo, assim, para um país mais arrumado e mais feliz.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Conteúdo produzido pelo Observador Lab. Para saber mais, clique aqui.
Partilhe
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: obslab@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)