PSD

Rui Rio: “Isto não tem nada a ver com sigilo bancário”

Rui Rio defendeu que o pedido de divulgação dos 50 maiores devedores da CGD por parte do PSD "não tem nada a ver com sigilo bancário". O PSD está a ponderar avançar com um projeto de lei.

Rui Rio comentou o assunto à margem de um evento de comemoração do aniversário do PSD, em Beja

NUNO ANDRÉ FERREIRA/LUSA

Rui Rio afirmou esta sexta-feira que o pedido que o PSD tem feito para que sejam divulgados os nomes dos 50 maiores devedores à Caixa Geral de Depósitos “não tem nada a ver com sigilo bancário”. Para o presidente do PSD, aquilo que os sociais-democratas estão a pedir é “o conhecimento das entidades que ficaram a dever dinheiro à CGD e que não pagam”.

As declarações de Rui Rio surgem depois do líder parlamentar do PSD ter adiantado que o partido pode avançar com um projeto de lei para levantar o sigilo bancário dos 50 maiores devedores. Na quinta-feira, o Governo aprovou a proposta para levantar o sigilo bancário nas contas com mais de 50 mil euros: o PSD entende que é apenas uma maneira de desviar as atenções para o problema da CGD.

À margem de um evento em Beja, para comemorar o aniversário do partido, Rui Rio defendeu que “haverá uma leitura abusiva” do pedido que o PSD fez e explicou que o que os sociais-democratas querem saber “não é aqueles que têm crédito, pagam e cumprem” mas sim “quem pura e simplesmente não pagou e nem vai pagar e que obriga a que sejam os contribuintes portugueses a pagar”.

Para o presidente do PSD, é “incompreensível” e um “completo enigma” que PCP e Bloco de Esquerda tenham evitado que se conhecessem os nomes dos 50 maiores devedores da Caixa Geral de Depósitos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eutanásia

Carta aos deputados do PSD sobre a eutanásia

Sofia Galvão
468

Os partidos não pediram um mandato aos eleitores em 2015 para alterar o statu quo no que diz respeito à eutanásia. Também por essa razão, os deputados do PSD têm a obrigação de votar contra.

Filosofia

Democracia e formas simbólicas /premium

Paulo Tunhas

O estudo da história do pensamento político recorda-nos o retorno maciço do pensamento mítico com o nazismo, alertando para o perigo de uma única forma simbólica se apoderar de todas as restantes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)