Rádio Observador

Caso Lava Jato

Brasil pede a Portugal extradição de suspeito no processo de corrupção Lava Jato

Governo Brasileiro solicitou a Portugal a extradição do empresário Raul Schmidt, investigado no âmbito do processo de corrupção Lava Jato, refere hoje a agência EFE, que cita fontes oficiais.

ANDRÉ KOSTERS/LUSA

O Governo Brasileiro solicitou na sexta-feira a Portugal a extradição do empresário Raul Schmidt, que está a ser investigado no âmbito do processo de corrupção Lava Jato, refere hoje a agência EFE, que cita fontes oficiais.

O Brasil, através da Advocacia Geral da União, argumenta que uma recusa da justiça portuguesa “configuraria uma violação do Estado de Direito e dos princípios da estabilidade” e que a demora na extradição contradiz “as convenções das Nações Unidas contra a corrupção e contra a criminalidade organizada”.

O pedido surge depois de no dia 03 de maio o Supremo Tribunal de Justiça (STJ) ter ordenado a libertação do empresário luso-brasileiro, após deferir um pedido de ‘habeas corpus’.

O Governo brasileiro defende, contudo, que o ‘habeas corpus’ “não impede a sua extradição”, mas apenas respeita à sua libertação da prisão, sem que tal impeça a eventual entrega de Raul Schmidt à justiça brasileira.

No caso Lava Jato, Raul Schmidt é investigado no Brasil pelo pagamento de luvas aos ex-diretores da Petrobras Renato de Souza Duque, Nestor Cerveró e Jorge Luiz Zelada — todos envolvidos num alegado esquema de corrupção, branqueamento de capitais e organização criminosa relacionado com a petrolífera estatal brasileira.

A defesa do empresário tem vindo a alegar insistentemente que Raul Schmidt é “cidadão português de origem, desde o nascimento (com certidão emitida desde janeiro de 2018)”, e que “o Brasil não extradita cidadãos brasileiros de origem, não podendo, pois, garantir a reciprocidade exigida” por lei, pelo que a extradição não poderá ocorrer.

Um Tribunal Federal Regional de Brasília já havia deferido um pedido de “habeas corpus” interposto pelos advogados de Raul Schmidt, suspendendo então, até ulterior decisão, a extradição para o Brasil no âmbito do caso Lava Jato.

Na apreciação dessa providência de “habeas corpus”, o Tribunal Regional Federal de Brasília reconheceu que o pedido de extradição de Raul Schmidt (que adquiriu nacionalidade portuguesa de origem) é ilegal, não obedecendo ao princípio da reciprocidade (entre Brasil e Portugal) de não extraditar cidadãos nacionais.

Na altura, a defesa do empresário referiu à Lusa que o tribunal brasileiro confirmara aquilo que a defesa de Raul Schmidt tem dito sobre a “ausência de reciprocidade” Portugal/Brasil em extraditar cidadãos nacionais.

A 17 de abril, também o Tribunal Europeu dos Direitos do Homem (TEDH) havia dado razão a uma providência cautelar de Raul Schmidt, suspendendo, até decisão definitiva, a extradição do empresário luso-brasileiro para o Brasil.

Em análise no Tribunal de Estrasburgo está uma queixa apresentada em março pelos mandatários de Raul Schmidt, mas como a decisão final deverá demorar, foi intentada uma providência cautelar motivada pela urgência do caso.

Na decisão proferida pelo TEDH foi ponderada a violação do artigo 3.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem, que proíbe a sujeição de um cidadão europeu a tratamentos degradantes, por se considerar que o sistema prisional brasileiro não cumpre os padrões mínimos exigidos pela Convenção em apreço.

Na semana anterior à decisão do TEDH, Raul Schmidt tinha sido detido pela Polícia Judiciária, logo após ter sido divulgado um acórdão do STJ a revogar uma decisão proferida em fevereiro de libertar o empresário, o qual havia adquirido nacionalidade portuguesa de origem, ao abrigo da nova Lei da Nacionalidade.

Segundo a imprensa brasileira, além de atuar como operador financeiro no pagamento de subornos aos agentes públicos da Petrobras, Raul Schmdit também foi intermediário de empresas internacionais na obtenção de contratos de exploração de plataformas da petrolífera.

Na 13.ª Vara Federal da Justiça Federal, em Curitiba, existem dois processos contra Schmidt por corrupção, organização criminosa e branqueamento de capitais. As duas ações penais aguardam o resultado do processo de extradição.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)