Rádio Observador

Coreia do Norte

Coreia do Norte toma “medidas técnicas” para desmantelar central de testes nucleares antes de cimeira com Trump

A promessa será executada entre 23 e 25 de maio, conforme avançam os media estatais da Coreia do Norte. Mas, apesar da aproximação, nem todas as palavras de Pyongyang para os EUA são meigas.

A cimeira entre Kim Jong-un e Donald Trump está marcada para 12 de junho e vai decorrer em Singapura

KOREA SUMMIT PRESS / POOL/EPA

Os media estatais da Coreia do Norte garantiram este sábado que o regime de Kim Jong-un está a tomar “medidas técnicas” para desmantelar a sua central de teste nucleares, no Norte do país.

O anúncio foi feito num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, veiculado pelo media estatais de Pyongyang. De acordo com o comunicado, a promessa ser cumpriada entre 23 e 25 de maio, consoante as condições meteorológicas.

Segundo o comunicado, emitido este sábado, a decisão é tomada para “garantir a transparência do descontinuação dos testes nucleares”. Esta já tinha sido uma promessa acordada entre Kim Jong-un e o seu homólogo da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que estiveram reunidos pela primeira no lado sul-coreano da Zona Desmilitarizada da Coreia no passado 27 de abril.

É ainda dito que a Coreia do Norte vai convidar jornalistas dos EUA, Reino Unido, China, Rússia e Coreia do Sul para acompanharem o processo.

A notícia surge exatamente um mês antes da data marcada para o ditador norte-coreano se encontrar com o Presidente dos EUA, Donald Trump, numa cimeira história em Singapura. Será a primeira vez que um líder da Coreia do Norte e um Presidente dos EUA em exercício se vão sentar à mesma mesa.

Jornal do comité central acusa EUA de “gestos conspiratórios” para espalharem “cultura burguesa”

Os últimos meses têm sido de reaproximação entre, de um lado, a Coreia do Norte, e, do outro, a Coreia do Sul e os EUA. Porém, a postura dos media norte-coreanos continua a ser, na maior parte das vezes, de hostilidade perante aqueles dois países.

Ainda este sábado, o Rodong Sinmun, o jornal oficial do comité central do Partido dos Trabalhadores da Coreia e, na prática, um veículo de propaganda estatal, lançou duras críticas aos EUA. “Os EUA aumentaram drasticamente os fundos para espionagem contra a República Democrática e Popular da Coreia e para intensificar o envenenamento ideológico e cultural contra o pais através de mediajornal eletrónicos e rádio”, lê-se naquele.

“Isto demonstra claramente que os gestos conspiratórios dos EUA para dividir e paralizar a República Democrática e Popular da Coreia chegaram a uma fase extremamente perigosa”, continuava o texto. “Os EUA revela não ter escrúpulos aos cometer atos maldosos através do uso de modernos meios científicos e tecnológicos, para conseguir espalhar a ideologia e a cultura burguesa na República Democrática e Popular da Coreia. No entanto, isto não é mais do que um sonho de loucos alheios à História e à realidade.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)