Os media estatais da Coreia do Norte garantiram este sábado que o regime de Kim Jong-un está a tomar “medidas técnicas” para desmantelar a sua central de teste nucleares, no Norte do país.

O anúncio foi feito num comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Coreia do Norte, veiculado pelo media estatais de Pyongyang. De acordo com o comunicado, a promessa ser cumpriada entre 23 e 25 de maio, consoante as condições meteorológicas.

Segundo o comunicado, emitido este sábado, a decisão é tomada para “garantir a transparência do descontinuação dos testes nucleares”. Esta já tinha sido uma promessa acordada entre Kim Jong-un e o seu homólogo da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que estiveram reunidos pela primeira no lado sul-coreano da Zona Desmilitarizada da Coreia no passado 27 de abril.

É ainda dito que a Coreia do Norte vai convidar jornalistas dos EUA, Reino Unido, China, Rússia e Coreia do Sul para acompanharem o processo.

A notícia surge exatamente um mês antes da data marcada para o ditador norte-coreano se encontrar com o Presidente dos EUA, Donald Trump, numa cimeira história em Singapura. Será a primeira vez que um líder da Coreia do Norte e um Presidente dos EUA em exercício se vão sentar à mesma mesa.

Jornal do comité central acusa EUA de “gestos conspiratórios” para espalharem “cultura burguesa”

Os últimos meses têm sido de reaproximação entre, de um lado, a Coreia do Norte, e, do outro, a Coreia do Sul e os EUA. Porém, a postura dos media norte-coreanos continua a ser, na maior parte das vezes, de hostilidade perante aqueles dois países.

Ainda este sábado, o Rodong Sinmun, o jornal oficial do comité central do Partido dos Trabalhadores da Coreia e, na prática, um veículo de propaganda estatal, lançou duras críticas aos EUA. “Os EUA aumentaram drasticamente os fundos para espionagem contra a República Democrática e Popular da Coreia e para intensificar o envenenamento ideológico e cultural contra o pais através de mediajornal eletrónicos e rádio”, lê-se naquele.

“Isto demonstra claramente que os gestos conspiratórios dos EUA para dividir e paralizar a República Democrática e Popular da Coreia chegaram a uma fase extremamente perigosa”, continuava o texto. “Os EUA revela não ter escrúpulos aos cometer atos maldosos através do uso de modernos meios científicos e tecnológicos, para conseguir espalhar a ideologia e a cultura burguesa na República Democrática e Popular da Coreia. No entanto, isto não é mais do que um sonho de loucos alheios à História e à realidade.”