Rádio Observador

Ford

Fiesta de 200 cv perdeu um cilindro e não se nota

O Fiesta ST, o pequeno desportivo da Ford está de volta e cheio de argumentos. Mantém os 200 cv, mas gasta e polui menos, e anda mais. Sobretudo está mais divertido de conduzir e custa apenas 28.000€.

A mais recente geração do Fiesta, introduzida no mercado em 2017, tem finalmente a sua versão desportiva, destinada àqueles que, em vez de pretenderem deslocar-se apenas do ponto A para o ponto B, fazem questão de retirar o máximo prazer da viagem e da condução. Mas a Ford não se limitou a montar a mecânica antiga no novo carro. Foi mais longe e equipou-o com um novo motor com menos cilindrada e um menor número de cilindros, mas não se nota nada e o modelo até ficou a ganhar com a troca.

O Fiesta da geração anterior já tinha como expoente máximo da gama o ST, então com um motor de quatro cilindros e 1,6 litros, obviamente soprado por um turbocompressor para incrementar a potência e a força, ele que era apresentado em duas versões, uma normal com 182 cv e outra mais “puxada” com 200 cv. O novo desportivo, agora revelado, troca este motor por outro com 1,5 litros e apenas três cilindros, mas fornecendo os mesmos 200 cv.

Segundo o engenheiro da Ford, Leo Roeks, foram vários os objectivos que a marca perseguiu com a troca da mecânica, sendo que a principal tinha a ver com a dificuldade da antiga cumprir as novas e cada vez mais restritas normas de poluição. Tão importante quanto isso, a Ford pretendia que a unidade que anima o pequeno desportivo pudesse igualmente locomover outros modelos da marca, do Focus ao Mondeo, pois quanto maior for a produção, menor é o custo por unidade.

Mas o novo três cilindros a gasolina – que apesar de adoptar a solução das motorizações 1.0 Ecoboost de 85, 100, 125 e 140 cv, nada têm em comum, além da arquitectura – perseguia outro objectivo, mais complicado de atingir. Tinha de fornecer maior potência específica (a mesma potência com menor capacidade) e consumir menos, o que implica emitir igualmente menos CO2. Além de os engenheiros terem trabalhado na redução do atrito, colocaram um pequeno turbo mais próximo da cabeça do motor, para reduzir o comprimento dos colectores de escape e, com eles, o atraso na resposta do turbo ao acelerador.

Soprado com uma pressão adicional de 0,6 bar, “em cima” da pressão atmosférica (1 bar), graças a um turbocompressor RAAX da Continental, o novo motor de três cilindros recorre ainda a dois tipos de injecções de gasolina, uma directa e outra tradicional (indirecta, com o injector colocado no colector de admissão), de forma a conseguir reduzir o consumo e as emissões com pouco “acelerador”, mas não limitar a potência quando o condutor decide acelerar a fundo. O resultado é que o antigo motor 1.6 Turbo de quatro cilindros debitava normalmente cerca de 180 cv, e só atingia 200 cv numa versão especial, enquanto o novo 1.5, com menos um cilindro, dá sempre 200 cv, e com grande suavidade.

Segundo Roeks, o novo motor fornece a mesma potência, a um regime mais favorável, mas sobretudo a exigir menos gasolina, o que se traduz por menores emissões nocivas, o que o clima agradece e a sua carteira também, especialmente em países como o nosso, onde as taxas dependem das emissões de CO2, que por sua vez dependem exclusivamente do consumo. Para surpresa nossa, o engenheiro da Ford admitiu que a troca da unidade de quatro cilindros pela de apenas três não permitiu ganhos no peso da unidade motriz, mas apenas no volume ocupado pela mecânica, cuja vantagem é relativa, pois este motor dificilmente deverá ser utilizado em veículos mais pequenos do que o Fiesta.

Comparando o antigo 1.6 ao novo 1.5, a potência máxima manteve-se, mas não o binário, com a “força” do motor a subir de 240 para 290 Nm (comparando a versão de 182 cv com a nova de 200 cv, uma vez que a Ford não voluntariou dados da antiga versão de 200 cv), com o consumo a manter-se (5,9 contra 6,0 litros/100 km), apesar de o novo ST ser avaliado segundo a norma WLTP; enquanto no antigo era a NEDC que imperava. Segundo o homem da Ford, a vantagem do novo motor ronda 1 litros por cada 100 km, ou seja, quase 20%.

Parte desta vantagem no consumo prende-se com a capacidade que o motor de três cilindros tem de desligar um deles, o primeiro, sempre que o condutor circula a pressionar pouco o acelerador. Ao encher menos um cilindro, o ST anula 1/3 do consumo nestas condições. Ainda segundo Roeks, é mais fácil a um motor de três cilindros cortar um deles do que a uma unidade com quatro, uma vez que como já tem um veio de equilíbrio para anular as vibrações próprias do tricilíndrico, é mais fácil adaptá-lo a trabalhar com apenas dois, em matéria de vibrações.

Conduzimos o Fiesta ST numa sinuosa estrada de montanha, onde foi possível constatar que, em ritmo de passeio, o pequeno desportivo da Ford, que vai rivalizar com pequenos desportivos como o Clio RS, o Polo GTI ou o Peugeot 208 GTi, é agradável de conduzir e até confortável. É certo que os diferentes modos de condução o tornam ainda mais civilizado, mas demos por nós a passear tranquilamente, sem ter de recorrer constantemente à caixa (manual com seis velocidades) e a fazer médias de 7 litros.

Com o incrementar do ritmo, tornou-se fácil perceber que a versão mais vitaminada do utilitário da Ford está ainda melhor do que na geração anterior. O motor tem mais força a baixo regime, com o pequeno turbo a revelar-se mais à vontade nas gamas baixas e médias, do que a alta rotação, onde o melhor mesmo é passar à mudança seguinte. Equipado com o pack Performance, que inclui o autoblocante da Quaife, sensível à velocidade, o Launch Control e a Shift Lights – luz avisadora de regime máximo do motor, que mal se vê, por estar colocada em baixo à esquerda no painel de instrumentos –, proposto por cerca de 1.000€, o novo ST tem um motor que vibra mais do que o antigo, mas nada de exagerado, conseguindo curvar melhor, ter mais tracção e permitir uma série de abusos sem se virar ao condutor e, muito menos, sem o colocar em situações de que possam derivar dispendiosas visitas à oficina. Parte da eficácia ao nível do comportamento fica a cargo dos excelentes pneus (Michelin Pilot Sport 4), “de longe das melhores propostas do mercado”, segundo a Ford.

A versão ST do Fiesta entra em produção a partir de Julho, com as primeiras unidades a chegarem ao nosso mercado a partir de final de Agosto ou, no limite, início de Setembro. Proposto por 28 mil euros na versão de três portas e mais 500€ com cinco portas, o novo ST alinha pelas propostas mais competitivas do segmento, oferecendo gozo e emoção por menos de 30 mil euros.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)