Rádio Observador

Toyota

Acabou-se: Toyota está farta de fazer carros “sem piada”

520

Lembra-se do filme "Do Cabaré para o Convento"? É mais ou menos isso que vai acontecer à Toyota, em termos de design e por decisão do presidente da marca. Acabou-se o design entediante e ultrapassado.

Vivem-se tempos de mudança para os lados da Toyota. E, ao que parece, para melhor, como antecipou o presidente da Calty Design Research, a empresa responsável pela actualização da estética da Toyota e que, inclusive, assinou as linhas de propostas mais modernas como o SUV compacto C-HR, o concept FT-1, que antecipa o novo Supra, e o Lexus LC. Em declarações à GoAuto, Kevin Hunter não só admitiu que o design da marca nipónica era aborrecido, como explicou a razão pela qual os modelos da Toyota pareciam velhos quando eram novos. Ultrapassados, antes mesmo de chegarem ao mercado.

Segundo o especialista em design, isso acontecia essencialmente por duas razões. Primeiro, porque como casa grande que é, a Toyota procurava compatibilizar uma série de opiniões. Sucede que, na ânsia de agradar a todos, acabava por agradar pouco, na medida em que dessa harmonização de vontades resultavam modelos com uma imagem mediana, pouco impactante. Segundo, porque a filosofia da marca passou sempre por oferecer produtos fiáveis. Ora, se por um lado isso é bom, pois a marca japonesa tem presença habitual no topo de rankings de fiabilidade e de confiança dos consumidores; por outro lado, isso relegava a estética para um segundo plano, com o design a fazer as devidas concessões, no interesse da engenharia e da mecânica.

A boa notícia é que isso vai acabar, também por dois motivos. O mais importante é que a ordem vem de cima: o próprio presidente da Toyota quer que os novos modelos da marca sejam uma lufada de ar fresco, em vez do bafio do passado. A directiva partiu do próprio Akio Toyoda, que defende uma importância crescente da opinião dos designers no processo de decisão de como deverá ser a estética final dos carros.

A plataforma TNGA

A segunda razão que permitirá seguir por um caminho estilístico mais audacioso é estrutural. Neste ponto, a adopção da nova plataforma Toyota New Global Architecture (TNGA), introduzida pela primeira vez em 2015, na quarta geração do Prius, faz maravilhas quer à eficácia no comportamento, quer ao estilo. “O baixo centro de gravidade, um chassi mais rígido, a nova suspensão e um maior recurso a aços de alta resistência proporcionam um melhor comportamento e uma condução mais entusiasmante”, defende Kevin Hunter, acrescentando que as vantagens não se ficam por aí: “A TNGA também oferece maior liberdade ao design do veículo, permitindo que os tejadilhos e os capots do motor sejam mais baixos, do que resultam modelos visualmente mais distintos e apelativos.”

Pesquisa de carros novos

Filtre por marca, modelo, preço, potência e muitas outras caraterísticas, para encontrar o seu carro novo perfeito.

Pesquisa de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)