Rádio Observador

Elétricos

China copia Bugatti Chiron e vende-o por 4.200€

559

Os franceses vendem o Chiron por 2,5 milhões, antes de impostos. Os chineses propõem uma versão muito mais barata e (ainda por cima) eléctrica. Não é bem igual, mas lá que faz lembrar, lá isso faz...

Aos chineses pode faltar de tudo um pouco, dos salários decentes ao respeito pelos direitos humanos e, sobretudo, criatividade. Mas lata até têm (de sobra): copiam tudo o que mexe, protegidos por uma lei que acha que roubar as ideias e o estilo dos outros é… normal. Quer mais um exemplo? O Bugatti Chiron chinês, que uma companhia quase desconhecida – a Shandong Qilu Fengde – apelida de P8.

Basta olhar para o P8 para nos apercebermos de onde veio a “inspiração”, com o Chiron chinês a apropriar-se da grelha tipo ferradura que sempre caracterizou a marca criada por Ettore Bugatti em 1909, os grupos ópticos com quatro LED de cada lado do actual Chiron (OK, aquilo mais parece um arranjo natalício, mas de má qualidade). E, como se tudo o resto não fosse já suficientemente abusivo, até a tradicional pintura a duas cores, com o característico “C” a destacar a zona posterior da carroçaria. Mas depois surgem as diferenças, especialmente ao nível da dimensões, pois se o Chiron original, o francês, tem mais de 4,5 metros de comprimento e 2 metros de largura, o chinês fica tão atrás nas dimensões, como na elegância.

O Chiron da “loja dos 300” foi revelado pela Car News China e, mesmo sem ver o veículo ao pormenor, arriscamos avançar que não terá uma cópia do motor W16, com oito cilindros de capacidade. É também altamente provável que não atinja os 1.500 cv, não recorra a quatro turbocompressores e, muito menos, a quatro rodas motrizes. Asas móveis, que podem funcionar como travão aerodinâmico, não devem igualmente fazer parte do cardápio que anima o Chiron low cost, que dificilmente fará 420 km/h e que muito menos será capaz de passar os 100 km/h em 2,5 segundos, os 200 em 6,5 segundos e os 300 km/h em 13,5 segundos.

De acordo com a Car News China, o P8 é aquilo a que os chineses chamam um Low Speed Electric Vehicle e, pelo aspecto, com ênfase no Low Speed. O motor eléctrico tem um pouco menos de potência do que o Tesla Model S P110D (612 cv), ou até os 92 cv do Renault Zoe. Para sermos mais precisos, tem apenas 3,3 cv e é alimentado por uma bateria de 72V de ácido e chumbo, que se poderia caracterizar como muito avançada se ainda vivêssemos no tempo do Cro-Magnon.

A velocidade máxima do P8 evita qualquer tipo de multa por excesso de velocidade (ou, pelo menos, a maioria), uma vez que o bólide não ultrapassa 65 km/h, para depois ter uma autonomia de 150 km. Muito provavelmente, a descer. Similar aos melhores carros eléctricos modernos, o P8 apenas tem um exagerado tempo de recarga, nada menos do que 10 horas.

Mas como nem tudo pode ser mau, também o Chiron chinês traz boas notícias. É proposto na China por 31.999 yuan, ou seja cerca de 4.228€. Um “pouco abaixo” dos 2,5 milhões necessários para ir buscar um Bugatti Chiron à fábrica, que se por acaso quiser registar na China, com taxas de importação, ambiente, supercarros e outras, pode atingir os 7,6 milhões de euros.

Recomendador: descubra o seu carro ideal

Não percebe nada de carros, ou quer alargar os horizontes? Com uma mão-cheia de perguntas simples, ajudamo-lo a encontrar o seu carro novo ideal.

Recomendador: descubra o seu carro idealExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)