Museus

Gary Hill e Susana Silva são dois artistas ligados pela performance no MAAT

A performance é o traço comum dos artistas Gary Hill e Susana Mendes Silva, que vão inaugurar, na quarta-feira, exposições com obras inéditas e uma revisitação do trabalho no MAAT.

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A performance é o traço comum dos artistas Gary Hill e Susana Mendes Silva, que vão inaugurar, na quarta-feira, exposições com obras inéditas e uma revisitação do trabalho no Museu de Arte, Arquitetura e Tecnologia (MAAT), em Lisboa. As exposições dos dois artistas – que abrem ao público na quinta-feira – foram esta terça-feira apresentadas aos jornalistas pelos curadores e pelos criadores no Edifício Central do museu, que acolhe o património industrial ligado à eletricidade.

O norte-americano Gary Hill apresenta um corpo de trabalho inédito, especialmente concebido para a Sala das Caldeiras, onde colocou imagens eletrónicas, linguagem e sons, elementos centrais do seu trabalho de há mais de 40 anos. Intitulada “Derramamento Linguístico na Sala das Caldeiras”, a mostra de Hill ocupa os vários níveis do espaço, com as novas obras no primeiro, e uma seleção de sete obras icónicas em vídeo, dos anos 1970 e 1980, no piso inferior.

Pioneiro da exploração do potencial artístico das novas tecnologias, nestas obras, Gary Hill retoma a investigação que iniciou no final dos anos 1970, com a peça “Electronic Linguistics”, que deu origem a uma série de criações que têm como ponto de partida a relação entre som, linguagem e imagem eletrónica. “A linguagem é algo primordial no ser humano. Esta capacidade de fazer sons, o funcionamento do próprio cérebro, com a parte química e as sinapses. É uma metáfora para o meu trabalho”, disse o artista durante a visita guiada, sublinhando o peso da comunicação na sua obra.

A exposição tem curadoria de Inês Grosso e Luísa Especial, que salientaram o caráter precursor de Gary Hill no uso de tecnologia analógica e digital na arte, e a associação destas à performance, que estará presente em vários momentos ao longo da exposição. “Vida e trabalho: Não antes mas de novo” é o título da exposição da artista portuguesa Susana Mendes da Silva, que apresenta um seleção de obras criadas nos últimos vinte anos, na área da performance.

A mostra foca-se no registo e documentação das performances que realizou desde os anos 1990, explicando, através de uma instalação, como podem ser pensadas, mostradas e restituídas ao público enquanto objetos, leituras ou som. Inclui um livro-objeto criado pela artista com textos que refletem sobre o seu corpo de trabalho e uma conversa transcrita com a curadora – Antónia Gaeta – que relata o caminho, as ideias e a produção da exposição.

O livro-objeto possibilita também a ativação de diferentes momentos ao longo da exposição, que a artista apelidou de “páginas”, nos quais são apresentados novos trabalhos, instalações performativas e conversas. O trabalho de Susana Mendes Silva integra uma componente de investigação e de prática arquivística que se traduz em obras com fortes referências históricas e políticas.

Questionada pela agência Lusa sobre como foi o processo de selecionar as obras de performance do passado, Susana Mendes Silva indicou que o trabalho assentou sobretudo “nos vestígios que ficam”, seja em sons, escritos ou imagens. “Sempre me interessaram muito as codificações e as linguagens alternativas, um território onde a arte se mexe muito”, comentou. Esta exposição ficará patente na Sala do Cinzeiro 8, até 17 de setembro, data em que também encerra a mostra de Gary Hill.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)