Vodafone

Receitas da Vodafone Portugal sobem 3,3%

As receitas totais da Vodafone Portugal subiram 3,3% no ano fiscal terminado em março, para 1.014 milhões de euros, face ao período homólogo, e as receitas de serviços avançaram 4,6%.

FACUNDO ARRIZABALAGA/EPA

As receitas totais da Vodafone Portugal subiram 3,3% no ano fiscal terminado em março, para 1.014 milhões de euros, face ao período homólogo, e as receitas de serviços avançaram 4,6%, anunciou a operadora, esta terça-feira.

Em comunicado, a operadora de telecomunicações refere que, “na análise ao exercício fiscal de 2017-2018, as receitas de serviços ascendem a 950 milhões de euros, o que representa um crescimento de 4,6% face ao ano anterior”, e as receitas totais “sobem 3,3%” anualmente, “ultrapassando os mil milhões de euros”. Estes resultados, “alcançados num ambiente setorial desafiante e em transformação, refletem o posicionamento estratégico da Vodafone Portugal, assente na diferenciação e no crescimento orgânico dos seus negócios”, adianta a operadora.

No quarto trimestre, que encerra o ano fiscal 2017-2018 (teve início a 1 de abril de 2017 e terminou a 31 de março último), a Vodafone Portugal registou “um incremento do principal indicador de negócio, suportado sobretudo pelo forte dinamismo do serviço fixo”, acrescenta a operadora de telecomunicações liderada por Mário Vaz.

No último trimestre fiscal, as receitas de serviços ascenderam a 232 milhões de euros, um aumento de 3,1% face a igual período do ano passado. “Este desempenho revela o ritmo de crescimento sustentando de um dos mais importantes indicadores de negócio, o que se verifica pelo décimo trimestre consecutivo”, acrescenta a Vodafone Portugal, salientando ainda que no quarto trimestre as receitas totais crescceram 3% para 246 milhões de euros.

“Os resultados espelham, entre outras variáveis, o crescimento das receitas do serviço fixo, sustentado pelo contínuo incremento da base de clientes que contabiliza já mais de 657 mil, representando um aumento de 11,3%” em termos anuais. “No decurso do último ano fiscal, a Vodafone continuou a expandir a cobertura do seu serviço fixo a todo o país, chegando a mais de 2,7 mil milhões de lares e empresas através de uma rede de fibra de última geração que já contabiliza 32.200 quilómetros”, refere.

No final de março, o número de clientes móveis da operadora ascendia a 4,606 milhões, uma descida de 2,3% em termos homólogos, “mas com um peso acrescido de clientes 4G, que ascendem a 1,739 milhões (+26,4%)”, sendo que no mesmo período, a taxa de penetração de ‘smartphones’ atingia 73,5% da base ativa de clientes móveis

“A Vodafone Portugal encerra o ano fiscal de 2017-2018 completando um crescimento de 10 trimestres consecutivos do principal indicador de negócio. Este reforço da sua posição competitiva é fruto do sucesso da estratégia adotada e da capacidade de a empresa responder positiva e adequadamente aos crescentes desafios do mercado”, refere o presidente executivo da operadora, Mário Vaz, citado em comunicado.

“Ter a atuação centrada nas necessidades e expetativas dos clientes, permanecer na vanguarda da inovação e o enfoque no digital continuarão a ser as diretivas estratégicas da atividade da Vodafone no ano fiscal de 2018-2019, permitindo entregar produtos, serviços e experiências com valor acrescido para os nossos Clientes”, concluiu o presidente executivo.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)