Literatura

As duas páginas escondidas no diário de Anne Frank que tinham anedotas picantes

139

Um grupo de investigadores conseguiu decifrar duas novas páginas do diário de Anne Frank. Além de "anedotas porcas", foram escritas várias linhas sobre educação sexual e prostituição.

Wikimedia Commons

Estavam cobertas com papel mais escuro para ninguém conseguir ler, mas um grupo de investigadores, através de uma nova tecnologia, conseguiu decifrar o mistério de duas páginas no diário de Anne Frank. Frases sobre educação sexual e prostituição foram os temas que estiveram escondidos durante anos.

“Sabem porque é que as meninas da Wehrmacht (Forças Armadas da Alemanha Nazi) estão na Holanda? Para servirem de colchões para os soldados”. Esta é uma das quatro “anedotas porcas” que Anne Frank escreveu no seu diário, juntamente com mais 33 linhas educação sexual, diz o New York Times. “Quem ler estas passagens que agora foram descobertas não vai conseguir esconder o sorriso”, disse Frank van Vree, diretor do Instituto Holandês de Estudos sobre Guerra, Holocausto e Genocídios, que em conjunto com o Museu do Holocausto trabalhou para decifrar o que Anne parecia não querer revelar.

Segundo o jornal britânico The Guardian, os investigadores fotografaram as duas páginas, iluminaram a folha com uma lanterna e, através de uma tecnologia de processamento de imagens, decifraram as palavras do diário que Anne Frank escreveu enquanto esteve escondida dos nazis, durante a Segunda Guerra Mundial. O processo, dizem os investigadores, foi difícil, pois a escrita estava misturada com o verso das páginas e o risco de destruir o papel era grande.

“As anedotas porcas são clássicos entre crianças em crescimento. Elas deixam claro que Anne, com todos os seus dons, era acima de tudo uma rapariga normal”, acrescentou o diretor do instituto.

Sobre a prostituição, Anne escreveu: “Todos os homens, sem exceção, andam com mulheres, daquelas mulheres que os abordam na rua e depois vão juntos. Em Paris, existem casas enormes para isso. O papá esteve lá”. Para os investigadores, se o texto for “interpretado em conjunto com a totalidade do diário, revela mais sobre o desenvolvimento de Anne como escritora do que o seu interesse por sexo”, tendo em conta que foram várias as vezes em que utilizou uma linguagem mais ousada.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)