António Costa

Costa diz que Estados Unidos têm dado um contributo negativo à paz mundial

272

O primeiro-ministro disse que os EUA não têm contribuído para a paz mundial e defendeu que a Europa deve assumir-se como uma voz alternativa e um fator de estabilidade e paz no Mundo.

JOSÉ COELHO/LUSA

O primeiro-ministro, António Costa, declarou esta quarta-feira que os Estados Unidos têm dado “um contributo negativo” à paz mundial, e defendeu que a Europa deve assumir-se como uma voz alternativa e um fator de estabilidade e paz no Mundo.

“O Mundo cada vez mais precisa de uma Europa forte, que seja uma voz alternativa e que seja um fator de estabilidade, de paz, progresso e solidariedade neste Mundo onde se vão multiplicando os fatores de crise e de tensão e onde os EUA não têm dado um bom contributo, para não dizer um contributo negativo”, disse o primeiro-ministro português à saída da reunião do Partido Socialista Europeu, em Sófia (Bulgária).

António Costa reagia assim à mensagem escrita pelo Presidente do Conselho Europeu na rede social Twitter. “Hoje, estamos a assistir a um novo fenómeno: a assertividade caprichosa da administração norte-americana. Quando observamos as últimas decisões do Presidente [Donald Trump], podemos questionar-nos: com amigos destes, quem precisa de inimigos?”, escreveu esta quarta-feira Donald Tusk.

O primeiro-ministro vai participar esta noite num jantar informal, organizado pelo primeiro-ministro da Bulgária, Boyko Borissov, que ocupa a presidência semestral da União Europeia, no qual os 28 irão discutir temas como o acordo nuclear do Irão, as taxas alfandegárias norte-americanas às importações de aço e de alumínio, das quais a UE está provisoriamente isenta, ou os recentes acontecimentos na Faixa de Gaza.

“Espero que possamos sair com uma posição forte, clara e inequívoca da parte da UE que ajude a consolidar as condições que estavam a ser desenvolvidas para criar melhores condições para a paz no mundo”, rematou. António Costa está em Sófia para participar na Cimeira União Europeia-Balcãs, a primeira do género dos últimos 15 anos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Incêndios

Dos governantes extraordinários /premium

Vicente Ferreira da Silva

Fazer a mesma coisa esperando resultados diferentes é a definição de insanidade- António Costa insiste na mesma metodologia há anos e continua à espera de resultados distintos. É a extraordinariedade.

Trabalho

Os super-homens não existem /premium

Pedro Afonso

Em vez de discutir o limite dos 70 anos, o Governo deve olhar para os que têm o direito de manter uma vida ativa até à idade da reforma, mas com um horário e funções laborais ajustadas à sua idade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)