Ministério da Cultura

Ministério da Cultura diz que apoios ajudaram a “consolidar” e a “renovar o tecido das artes”

Terminou o concurso ao programa de apoio das DGArtes, que o Ministério da Cultura considerou ter conseguido "consolidar" e "renovar" as artes em Portugal. Teatro Experimental do Porto ficou de fora.

O Ministério da Cultura fica instalado no Palácio da Ajuda, em Lisboa

Tiago Petinga/LUSA

Já terminou o processo de apreciação das candidaturas ao Programa de Apoio Sustentado da Direção-Geral das Artes (DGArtes), para o período 2018-2021, que tanta polémica gerou. A decisão final foi comunicada aos candidatos na terça-feira e a análise dos resultados divulgada esta quarta. Nesta, o Ministério da Cultura afirma categoricamente que “estes concursos conseguiram consolidar e simultaneamente renovar o tecido das artes do 3º setor em Portugal”, tendo-se registado, este ano, “um alargamento” do número de agentes culturais com apoio e também do valor envolvido.

Segundo a análise do Ministério da Cultura, “os agentes culturais que tinham anteriormente apoio, e cujas candidaturas foram consideradas elegíveis nestes concursos”, renovam o apoio para o ciclo de 2018-2020. “Destes agentes que mantêm o apoio, regista-se um forte aumento do orçamento concedito. No universo de 113 entidades, 100 têm reforço”, refere o Ministério. O número de agentes culturais com acesso aos apoios da DGArtes também cresceu: foram mais 58 do que no período anterior.

Relativamente aos valores envolvidos, “numa análise global, e considerando todos os agentes culturais, regista-se um aumento médio de 23 mil euros por ano, comparando com o ciclo anterior”. Para os quatro anos, o aumento é de 82%, estando disponíveis 83 milhões de euros em apoios, “mais 37,6 milhões do que no ciclo anterior”.

No que diz respeito à “diversidade de distribuição”, o Ministério da Cultura garante que “foram abrangidas pela primeira vez as Regiões Autónomas dos Açores e da Madeira, com um total de duas entidades apoiadas em cada uma”. Além disso, “todas as áreas artísticas e regiões registam um reforço do apoio”, tendo havido ainda a incluisão de uma nova área — a do circo contemporâneo e das artes de rua, “que contemplou o apoio a três entidades”.

Houve mais 58 agentes culturais apoiados mais nenhum deles é o Teatro Experimental do Porto

Os resultados provisórios dos concursos do Programa de Apoio Sustentado da DGArtes, conhecidos em maio, geraram grande polémica. Um dos principais motivos foi o de terem deixado de fora companhias de teatro com várias décadas de existência, incluindo a do Teatro Experimental do Porto, que viu a sua exclusão confirmada esta semana. Esta companhia é a mais antiga em funcionamento em Portugal, tendo sido fundada em 1951.

Em comunicado, a companhia explicou que ficou a saber da decisão definitiva do Ministério da Cultura esta terça-feira, 15 de maio, “através de um email enviado às 19h50, pelo endereço info@dgartes.pt”. Este dizia “que a Comissão de Apreciação das candidaturas ao Programa de Apoio Sustentado às Artes 2018-2021 para o Teatro, relativamente à pronúncia apresentada pelo Teatro Experimental do Porto em sede de audiência de interessados, considerou que a mesma, ‘não traz quaisquer argumentos que possam contribuir para a reapreciação da sua candidatura’, acrescentando que ‘não encontra fundamentos para alterar a pontuação atribuída…'”. Uma decisão que o Teatro Experimental do Porto considera “injusta, tanto quanto infundada, pela exiguidade ou mesmo ausência de argumentos que a sustentem”.

A companhia de teatro vai recorrer da decisão da DGArtes e levar a cabo todas “as diligências políticas necessárias, para que seja reconhecido o valor e o mérito artístico, cultural e histórico desta associação que completa em junho de 2018, 65 anos de actividade ininterrupta, e que vivia no momento presente uma fase de consolidação e reconhecimento do seu projecto artístico e planeava, através desta candidatura, dar continuidade à abertura a novos criadores e à inegável matriz experimental que tem manifestado”. “O apoio é fundamental para que o TEP prossiga com normalidade a sua actividade e o serviço cultural que presta no território em que se inscreve, bem como no país”, referia ainda a nota enviada às redações.

O teatro foi, de resto, a área mais prejudicada nos apoios da DGArtes, com alguns municípios, como Coimbra ou Évora, a veram as suas estruturas totalmente excluídas do programa de financiamento. De modo a silenciar os protestos, o Governo anunciou vários aumentos ao valor total dos apoios, como reflete a análise dos resultados divulgada pelo Ministério. O que, de acordo com as estuturas artísticas, está longe de resolver os problemas do setor.

Artigo atualizado às 20h30 com o comunicado do Teatro Experimental do Porto

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Imprensa

Carta à Senhora Ministra da Cultura

José Pinto
1.251

Queria apenas avisá-la de que, quando regressar de Guadalajara, a tourada que desencadeou ainda estará na praça pública. E, já agora, nos jornais nacionais. A liberdade, felizmente, tem destas coisas.

PSD

Rui Rio

Luis Teixeira

O dr. Rio diz que é social-democrata e que não é de direita. É facto que a social-democracia nunca foi de direita. O problema do dr. Rio é que o povo do PSD também nunca foi social-democrata.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)