Elétricos

Panasonic queixa-se, mas (ainda) não largou Tesla

Além de apreciarem pouco o peculiar estilo de Elon Musk, os japoneses dizem-se prejudicados com a relação de longa data com a Tesla. Estão cada vez mais relutantes em avançar com novas parcerias.

Depois de ter sido noticiada a possibilidade de a Panasonic ir para a China, em conjunto com a Tesla, para aí montar mais uma Gigafactory, eis que os japoneses fizeram questão de vir a público esclarecer que nada ainda está fechado. Em vez de abrirem ou fecharem a porta, deixam-na entreaberta: “No futuro, a Tesla poderá vir a montar uma operação de produção completa na China, e poderíamos produzir em conjunto”, admitiu o CEO da Panasonic, Kazuhiro Tsuga. Mas o mesmo fez questão de frisar que, de momento, ainda não há “nada de definitivo”. E, como que para mostrar que há mais Panasonic para além da Tesla, o presidente da companhia nipónica até fez questão de partilhar com os jornalistas a recente aproximação à Toyota, tão só o maior construtor mundial de automóveis (como marca, não como grupo).

Há muito que corriam rumores de estar na calha um acordo entre as duas empresas japonesas, tanto mais que a Toyota tem vindo a redireccionar a sua trajectória dos veículos híbridos plug-in para híbridos mais eficientes, com maior autonomia em modo EV, ao mesmo tempo que prepara a sua entrada nos 100% eléctricos a bateria. Pelo que, uma parceria com a Panasonic para o fornecimento de baterias encaixa perfeitamente na estratégia do construtor de Aichi. Tsuga revelou, a propósito, que “as conversações entre a Panasonic e a Toyota também estão a progredir”.

Como interpretar esta posição do gigante das baterias? O Nikkei Asian Review escreve que a Panasonic não só está descontente pelo estilo muito próprio de Elon Musk – aquela declaração dizendo que “perguntas financeiras não são fixes”, não terá caído muito bem aos japoneses –, como até se diz prejudicada com os atrasos na produção do Model 3.

A produção do mais acessível dos Tesla iniciou-se em Julho do ano passado, mas o ritmo previsto de fabrico tende a derrapar, com a meta de 5.000 unidades por semana a ser atirada para o final de Junho deste ano. Mas, em Março, o objectivo ainda estava a meio-gás, com uma produção semanal de 2.200 carros. Para a Panasonic, este incumprimento de prazos afectou as contas: o lucro operacional, no final do ano fiscal, poderia ter sido superior em 20 mil milhões de ienes. Ou seja, qualquer coisa como 153 milhões de euros…

Dirão outros analistas que a Panasonic se queixa de “barriga cheia”. E porquê? Porque a própria companhia assume que, no próximo ano, espera que os seus lucros operacionais disparem 11,7%, só por conta do negócio das células que compõem as baterias para os veículos eléctricos.

Recorde-se que Tesla e Panasonic têm uma relação de longa data e um acordo que, naturalmente, compromete ambas as partes. Dos 5 mil milhões de dólares investidos na Gigafactory 1, no Nevada, 1,8 mil milhões foram colocados pela empresa nipónica, que até está disposta a avançar com novos investimentos. Mas disso dependerá não o que Elon Musk disser em conferências de imprensa, mas sim uma “clara avaliação da situação” feita pela Panasonic, adiantou um executivo da empresa. Num relatório interno lê-se que a gigante nipónica está “cada vez mais relutante em assumir novos compromissos” com a Tesla.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)