Sporting

Paulo Futre: “Bruno de Carvalho? É impossível defendê-lo”

1.985

Paulo Futre disse na CMTV que é "impossível" defender Bruno de Carvalho depois dos acontecimentos na academia do Sporting. O ex-jogador mostrou-se ainda arrependido de uma conversa com Rui Patrício.

MÁRIO CRUZ/LUSA

O antigo jogador do Sporting Paulo Futre disse esta terça-feira à noite na CMTV que não é possível defender Bruno de Carvalho depois dos acontecimentos desta terça-feira na Academia do Sporting em Alcochete: “é impossível defendê-lo”. Futre, que fez parte da Comissão de Honra de Bruno de Carvalho nas últimas eleições do Sporting, em 2017, afirmou ainda que pensava que o presidente do Sporting tinha mudado a atitude depois de ter sido pai: “Pensa que quando ele foi pai vinha mais tranquilo, depois do que lhe tinha acontecido com os jogadores — que os jogadores enfrentaram-no –, depois de ser assobiado no Paços de Ferreira, pensei: ‘vai vir calminho, não vai fazer mais loucuras'”

O ex-jogador revelou ainda que se sente arrependido de uma conversa que teve com Rui Patrício depois das críticas de Bruno de Carvalho à equipa no seguimento do jogo com o Atlético de Madrid, que os leões perderam por 2-0.

Estou arrependido de uma coisa com um jogador. Quando foi esta confusão com os jogadores eu falei com o Bruno e ele disse: ‘Paulo, diz que eu estou arrependido, fala com o Rui, que eu não vou fazer mais isto’. E eu sentia que ele estava arrependido. Falei com o Rui Patrício na véspera do jogo com o Atl. Madrid cá, expliquei que Bruno de Carvalho estava arrependido. Disse: ‘Acredita em mim, já tirou os processos, acabou com o Facebook. Ele não vai fazer mais isto’. E ele disse que ia falar com outros jogadores e fiquei com a clara sensação de que ia mesmo tudo acalmar. Depois vi a mensagem da mulher do Rui… Tenho de pedir desculpa por ter feito aquela chamada.

Rui, desculpa ter feito aquela chamada. Sinceramente pensava que o presidente do Sporting ia ser outro a partir daquele momento. Enganei-me, peço desculpa. Longe de mim que os jogadores algum dia pudessem apanhar com uma situação destas. Joguei no Marselha e no Atl. Madrid. Até ontem dizia: nós em Portugal ladramos, lá fora mordem. Até ontem. Tinha uma série de entrevistas marcadas e cancelei tudo. Foi muito duro ver aquilo, fiquei em choque”

Paulo Futre criticou também o facto de Bruno de Carvalho não ter condenado o arremesso de tochas por parte das claques do Sporting em direção à baliza onde estava Rui Patrício, no jogo com o Benfica. Também a propósito desse jogo — que terminou empatado 0-0 — Futre disse que o presidente do Sporting não deveria ter atirado a braçadeira para o chão no final da partida.

[Veja no vídeo as críticas que incomodaram Bruno de Carvalho]

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Ligue-se agora via

Facebook Google

Não publicamos nada no seu perfil sem a sua autorização. Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Detalhes da assinatura

Acesso ilimitado a todos os artigos do Observador, na Web e nas Apps, até três dispositivos.

E tenha acesso a

  • Assinatura - Aceda aos dados da sua assinatura
  • Comentários - Dê a sua opinião e participe nos debates
  • Alertas - Siga os tópicos, autores e programas que quer acompanhar
  • Guardados - Guarde os artigos para ler mais tarde, sincronizado com a app
  • Histórico - Lista cronológica dos artigos que leu unificada entre app e site

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Inicie a sessão

Ou registe-se

Ao registar-se está a aceitar os Termos e Condições e a Política de Privacidade.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)