Sonangol

Sonangol afasta deputado de São Tomé da liderança da empresa de combustíveis

A empresa distribuidora de derivados do petróleo exonerou Osvaldo dos Santos Vaz do conselho de administração e do cargo de diretor-geral. A decisão foi tomada pelo presidente do conselho.

JOAO RELVAS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A petrolífera estatal angolana Sonangol exonerou Osvaldo dos Santos Vaz do conselho de administração e do cargo de diretor-geral da Empresa Nacional de Combustíveis e Óleos (ENCO), empresa distribuidora de derivados do petróleo em São Tomé e Príncipe.

De acordo com informação da Sonangol a que a Lusa teve quarta-feira acesso, a decisão foi tomada pelo presidente do conselho de administração da petrolífera angolana, Carlos Saturnino, de 11 de maio, destituindo Osvaldo dos Santos Vaz, deputado do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe – Partido Social democrata (MLSTP-PSD), que ocupava o cargo desde 2003.

A Sonangol não faz qualquer referência à nomeação do substituto do diretor-geral da ENCO, uma sociedade detida maioritariamente pela petrolífera estatal angolana em São Tomé e Príncipe. Além disso, a Sonangol exporta para São Tomé petróleo, gás e outros derivados do petróleo.

A Lusa noticiou em dezembro último que Osvaldo dos Santos Vaz seria constituído arguido e interrogado pelo Ministério Publico (MP) por tentativa de corrupção aos magistrados judiciais, segundo indicou fonte parlamentar.

Na sessão plenária realizada em dezembro da Assembleia Nacional, 54 dos 55 deputados presentes aprovaram uma resolução que autoriza Osvaldo Vaz, administrador-geral da ENCO e vice-presidente demissionário do principal partido da oposição, a ser interrogado pelo MP.

Eu acho que é assim que todos devemos comportar-nos, quem não deve não teme e tendo-se [o deputado Osvaldo Vaz] manifestado disponível para ser interrogado, a minha bancada votou a favor da resolução”, disse Jorge Amado, líder da bancada do MLSTP-PSD.

Osvaldo Vaz foi o segundo deputado da oposição autorizado na mesma semana pelo parlamento para ser constituído arguido e ser interrogado no âmbito de uma queixa-crime por tentativa de corrupção, apresentado pelo presidente do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), Silva Gomes Cravid.

No passado dia 3 de dezembro o presidente do STJ demitiu e apresentou uma queixa-crime contra o seu assessor, Justino Veiga, antigo ministro da Justiça e juiz conselheiro do Supremo Tribunal de Justiça.

Justino Veiga foi detido, acusado pelo Ministério Publico (MP) de quatro crimes de branqueamento de capital, fraude fiscal, evasão fiscal e corrupção ativa, tendo sido ouvido 24 horas depois pelo juiz de instrução criminal e libertado sob termo de identidade e residência. Em causa a alegada interferência para tentarem reverter uma decisão do tribunal local sobre a posse da cervejeira são-tomense Rosema, retirada ao empresário angolano Mello Xavier e entregue a empresários locais.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: [email protected]
Crónica

O melhor país do mundo /premium

Alberto Gonçalves

Os poucos que assistem à farsa com o horror que esta merece aproveitam para se despedir do melhor país do mundo a fingir que não é uma vergonha, nas mãos de criaturas que não têm nenhuma.

História

In memoriam de Franco Nogueira /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

“Um homem livre, recto e determinado que lutou, com paixão, pelas suas convicções e pelas suas ideias, (…) para recuperar o espírito que fez a grandeza de Portugal”.

História

In memoriam de Franco Nogueira /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada

“Um homem livre, recto e determinado que lutou, com paixão, pelas suas convicções e pelas suas ideias, (…) para recuperar o espírito que fez a grandeza de Portugal”.

Justiça

Extinguir o Tribunal Central de Instrução Criminal

João Miguel Barros

Escrever que a extinção do TCIC dá um sinal errado à opinião pública porque este foi o “tribunal que mandou prender Sócrates” é não compreender a essência do que é um Tribunal de Instrução Criminal.

Lisboa

Portagens e transporte público

Luís Campos e Cunha

Tal como em outras cidades, deveria existir uma portagem a todos os carros que entram em Lisboa. Se vêm de Sintra ou da Amadora, não importa, são viaturas que utilizam os equipamentos da cidade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)