A Universidade de Michigan State vai pagar 500 milhões de euros (cerca de 421 milhões de euros) às 332 vítimas dos alegados abusos sexuais de Larry Nassar, o antigo médico da seleção de ginástica dos Estados Unidos, informou a instituição em comunicado.

Este acordo histórico surgiu graças às mais de 300 mulheres e raparigas que tiveram a coragem de recusar a ser silenciadas”, disse John Manly, um dos vários advogados que representam vítimas.

Do total do valor, 425 milhões de dólares vão ser pagos às 332 vítimas de imediato, o que dá 1,28 milhões por cada vítima. Os restantes 75 milhões vão ficar guardados para o caso de surgirem mais pessoas a denunciar o antigo médico.

A Universidade de Michigan State disse, em comunicado que reconhece a “necessidade de mudança”, no campus e na comunidade no que diz respeito à “consciencialização e prevenção de abusos sexuais”.

Larry Nassar. A história do monstro que abusou de centenas de atletas durante mais de 20 anos

Larry Nassar foi condenado a uma pena entre 40 a 175 anos de prisão por crimes de abusos sexuais a dezenas de atletas ao seu cuidado. A juíza Rosemaria Aquilina classificou as ações de Nassar como “precisas, calculadas, manipuladoras, desviantes e desprezíveis”, antes de declarar ter assinado “a sentença de morte” do antigo médico.

É minha honra e privilégio sentenciá-lo. Não merece caminhar fora de uma prisão. Não fez nada para controlar os seus desejos e, onde quer que vá, destruição vai acontecer aos mais vulneráveis”, acrescentou a juíza.

Um total de 156 ginastas — das 332 que o acusam de abuso sexual — foram ouvidas em tribunal. Vários nomes de topo dos Estados Unidos, entre as quais a quádrupla campeã olímpica de ginástica Simone Biles, vieram a público denunciar terem sido vítimas de abusos sexuais por parte de Larry Nassar.

O caso do Ministério Público assentou nos crimes cometidos contra Jordyn Wieber, medalha de ouro olímpica em Londres2012, as colegas na equipa Aly Raisman, Gabby Douglas e McKayla Maroney, e três outras atletas, mas várias outras atletas, muitas delas menores de idade à altura dos crimes, revelaram ter sofrido abusos.

Nassar, de 54 anos, que, em dezembro de 2017, foi condenado a 60 anos de prisão por posse de pornografia infantil, declarou-se culpado das agressões sexuais de que foi acusado. Durante a sessão em que foi proferida a sentença, Nassar confessou ter ficado “abalado” com os relatos das vítimas, e disse que “não há palavras” para descrever o quão arrependido está pelos crimes cometidos. “Vou levar as vossas palavras comigo para o resto dos meus dias”, acrescentou.