Cultura

Cinema português “está de parabéns” com mais um prémio em Cannes

O secretário de Estado da Cultura afirmou que "o cinema português está de parabéns", com o prémio conquistado por Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, na quarta-feira, no Festival de Cinema de Cannes.

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O secretário de Estado da Cultura, Miguel Honrado, afirmou esta quinta-feira que “o cinema português está de parabéns”, com o prémio conquistado por Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, na quarta-feira, no Festival de Cinema de Cannes, na França. O filme português “Diamantino”, de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, venceu o Grande Prémio da Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, que decorre até sábado naquela cidade do Sul de França.

Questionado pela agência Lusa, no parlamento, o governante congratulou-se pelo prémio, felicitou os realizadores e sublinhou a importância de “mais um prémio para o cinema português, vindo de um fórum do cinema tão importante como Cannes”. O prémio foi atribuído por um júri, presidido pelo realizador Joachim Trier e composto pelos atores Chloe Sevigny e Nahuel Pérez Biscayart.

“Diamantino”, a primeira longa-metragem de ficção de Gabriel Abrantes e Daniel Schmidt, conta “a história de Diamantino, interpretado pelo ator Carloto Cotta, uma superestrela do futebol mundial, cuja carreira cai em desgraça”. Além de Carloto Cotta, o elenco desta coprodução entre Portugal, Brasil e França inclui Cleo Tavares, Anabela Moreira, Margarida Moreira, Carla Maciel, Filipe Vargas, Manuela Moura Guedes, Joana Barrios e Maria Leite.

“Diamantino”, refere a produtora, “vai ter estreia comercial em Portugal, numa data a anunciar brevemente”. Gabriel Abrantes e o norte-americano Daniel Schmidt têm trabalhado juntos nos últimos anos em filmes como “Tristes Monroes” (2017) e “A History of Mutual Respect” (2010). Além de “Diamantino”, havia outro filme português em competição na Semana da Crítica do Festival de Cinema de Cannes, a curta-metragem “Amor, Avenidas Novas”, de Duarte Coimbra, feita em contexto escolar e produzida pela Escola Superior de Teatro e Cinema.

O filme de Duarte Coimbra, de 21 anos, trabalho final do curso de Realização da Escola Superior de Teatro e Cinema e o primeiro “a sério” que fez, “é muito pessoal”. O realizador quis fazer, como explicou em entrevista à Lusa, “uma história de amor, um filme romântico, que se passasse nos dias de hoje” em Lisboa, cidade onde cresceu e passa os dias. “Amor, Avenidas Novas, estreou-se no final de abril no IndieLisboa, nas competições nacional e internacional.

A 57.ª Semana da Crítica de Cannes, um dos programas paralelos do festival francês, decorre até esta quinta-feira. A 71.ª edição do Festival de Cinema de Cannes termina no sábado. Para o encerramento, Cannes escolheu “O homem que matou D. Quixote”, projeto antigo de Terry Gilliam agora concretizado, em estreia mundial no festival.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)