Obras Públicas

Concursos de obras públicas com a pior queda desde setembro de 2016

Os concursos de obras públicas no primeiro trimestre foram os mais baixos desde o terceiro trimestre de 2016, caindo 36% face a igual trimestre de 2017, para 477 milhões de euros.

Autor
  • Agência Lusa

Os concursos de obras públicas no primeiro trimestre foram os mais baixos desde o terceiro trimestre de 2016, caindo 36% face a igual trimestre de 2017, para 477 milhões de euros, segundo a associação dos industriais da construção.

“Efetivamente, apesar do lançamento, em março, de dois concursos no âmbito da construção da linha ferroviária entre Évora e Elvas, num total de 170 milhões de euros, a que se soma, ainda, o concurso associado a trabalhos e reparação e conservação da Ponte 25 de Abril, com um preço base de 18 milhões de euros, o volume de empreitadas de obras públicas deste trimestre é o pior, desde o terceiro trimestre de 2016”, afirma a Associação dos Industriais da Construção Civil e Obras Públicas (AICCOPN), em comunicado divulgado esta quinta-feira.

Mas não foi só nos concursos de obras públicas promovidos naqueles três meses que se nota a quebra, também os contratos celebrados no âmbito de concursos públicos – e reportados no Observatório das Obras Públicas – caíram 7% face a igual período do ano passado, ascendendo a 243 milhões de euros. A quebra foi bastante menor, de 1%, nos contratos de obras públicas celebrados na modalidade de ajuste direto, que somaram 137 milhões de euros.

No conjunto, o volume total de contratos celebrados no primeiro trimestre foi de 397 milhões de euros, menos 7% em termos homólogos, conclui a associação.

“Quer ao nível do lançamento de concursos públicos, quer ao nível do volume de contratos celebrados, o primeiro trimestre de 2018 registou uma evolução significativamente negativa, em oposição ao que se verificava, de forma relativamente consistente, desde 2016”, lamenta a associação naquele comunicado.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Governo

Porque não houve remodelação na educação?

José Ferreira Gomes

Em 2017 acabaram o secundário 75 615 alunos de uma coorte de perto de 120 000! É um escândalo que devia ter toda a atenção do ministério e levar à demissão de um ministro que nem reconhece o problema.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)