Fiat Chrysler Automobiles

“És o meu favorito”, disse Trump a Marchionne

“Diz-me com quem andas e dir-te-ei quem és.” Esta máxima pode-se aplicar ao CEO do grupo Fiat Chrysler Automobiles, Sergio Marchionne, que o Presidente norte-americano elegeu como o seu “favorito”.

Todos gostamos de ser os favoritos de alguém, especialmente de pessoas que são tradicionalmente apontadas como a referência em qualquer coisa boa. Já ser o favorito de uma personagem polémica como o actual Presidente dos EUA pode ter vantagens, mas certamente terá os seus inconvenientes.

A maior parte dos CEO dos principais construtores espalhados por esse mundo fora tem uma relação amor/ódio com o Presidente dos EUA. Tudo porque num dia ele ameaça perseguir fiscalmente quem desloca para o estrangeiro as fábricas dos veículos que quer vender na América, para no dia seguinte ameaçar com impostos similares àqueles com que os carros americanos são taxados à entrada da Europa ou da China, os automóveis originários desses continentes com destino aos EUA. Mas o que mais preocupa os CEO, inclusivamente os das empresas americanas como a General Motors, Ford e Fiat Chrysler Automobiles (FCA), é o carácter volátil das decisões do Presidente, o que torna o negócio imprevisível. E isso é a maior dor de cabeça para quem dirige uma empresa deste tipo.

Recentemente, num período em que Trump está sob ataque por ter mandado às ortigas o “standard das emissões dos veículos nos EUA” que Obama tinha aprovado, no que já conta com a oposição de estados como a Califórnia, a Detroit Free Press informou que, numa reunião com CEO de diferentes fabricantes, Trump apontou Sergio Marchionne como o “seu favorito”. A reunião decorreu na sala Roosevelt, da Casa Branca, na presença de Mary Barra da GM, Jim Hackett da Ford e Sergio Marchionne da FCA, com Trump a afirmar que as emissões mais apertadas poderiam prejudicar a indústria americana, e a revelar que o que ele preferia mesmo era que “mais fabricantes produzissem mais carros no Michigan, em vez de importá-los de outros países”, numa referência óbvia ao México.

Foi exactamente nesta fase, depois de realçar a importância de criar mais postos de trabalho e riqueza nos EUA, que Donald Trump confessou que “Marchionne é o meu CEO favorito desta sala”. Não que exista uma relação particularmente próxima entre o criativo executivo italiano que resgatou a Fiat e a Chrysler, mas porque este anunciou dias antes que a FCA iria ampliar a capacidade de produção do grupo no Michigan – berço da indústria automóvel americana e onde Trump foi buscar (e ainda tem) muito do suporte que lhe permitiu vencer as eleições –, o que deste logo o fez cair nas boas graças do Presidente.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: alavrador@observador.pt
PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)