Hospital de São José

Hospital de S. José garante que doentes não serão prejudicados por falta de radiologista à noite

O Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) assegurou que os utentes do Hospital de São José não vão ser prejudicados pelo recurso à telerradiologia.

João Relvas/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC) assegurou esta quinta-feira que os utentes do Hospital de São José não vão ser prejudicados pelo recurso à telerradiologia, salientando, contudo, que esta é uma “solução limitada e transitória”.

Na quarta-feira, a Ordem dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos denunciaram que o Hospital de São José, em Lisboa, vai deixar de ter, a partir de 1 de junho, um médico radiologista no local durante o período noturno.

Numa resposta enviada à agência Lusa, o CHLC lembrou que o recurso à telerradiologia “é comum nos hospitais”, quer em Portugal, quer internacionalmente, tratando-se de uma “boa prática de recursos humanos para a tarefa de produção de relatórios de imagiologia”. “Não há prejuízo para os utentes nem quaisquer perdas de tempo ou qualidade face aos relatórios de exames produzidos pelos médicos residentes”, é referido.

Para o CHLC, a “solução tem, no entanto, de ser limitada e transitória, o que acontece neste caso, na medida em que a telerradiologia só ocorre das 00h00 às 08h00, período em que o número de exames é reduzido”. De acordo com a nota, no restante horário, os exames e respetivos relatórios são assegurados pelos radiologistas do CHLC.

O CHLC realça que na sua prática clínica, nomeadamente no atendimento urgente, os médicos consultam os exames solicitados e, complementarmente, os relatórios produzidos por especialistas. Segundo o CHLC, estes relatórios podem ser realizados por médicos do CHLC ou recorrendo a serviço exterior. “Além do cumprimento rigoroso de prazos, os profissionais que executam no exterior os relatórios de exames ficam disponíveis, por contrato, a prestar todos os esclarecimentos adicionais que forem considerados necessários pelos colegas prescritores”, é ainda referido.

Na quarta-feira, Alexandre Valentim Lourenço, do Conselho Regional do Sul da Ordem dos Médicos, disse à Lusa que “segundo um despacho interno, a radiologia e neurorradiologia, entre as 00h00 e as 8h00, vão ter técnicos a efetuar os exames, que depois vão ser avaliados por um médico via telemedicina”. “Durante este período não estará um radiologista no local”, disse à Lusa Alexandre Valentim Lourenço.

Este representante da Ordem esteve na quarta-feira à noite a fazer uma visita ao hospital de São José, referindo que esta é uma decisão “impensável de ser tomada”, num hospital que tem uma das maiores urgências do país.

O Sindicato Independente dos Médicos (SIM), em comunicado, também condena a situação prevista, salientando que pode “pôr em risco os doentes e a potenciar a possibilidade de erro médico”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Hospitais

Hospital de São José em Agosto

Jaime Nogueira Pinto
1.572

Esquecendo os meus males naquela tarde de Agosto pensei no privilégio de ali estar em São José, onde a presença do Bem se ia impondo no meio do mal, onde a caridade e a eficácia superavam tudo o resto

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)