Juros da Dívida

Juros da dívida de Portugal a cair a dois, a cinco e a dez anos

Os juros da dívida portuguesa estavam na manhã desta quinta-feira a descer a dois, cinco e dez anos face a quarta-feira, alinhados com os de Itália e Espanha.

OLIVER BERG/EPA

Autor
  • Agência Lusa

Os juros da dívida portuguesa estavam na manhã desta quinta-feira a descer a dois, cinco e dez anos face a quarta-feira, alinhados com os de Itália e Espanha.

Cerca das 08h30 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a descer para 1,778%, contra 1,795% na quarta-feira e o mínimo desde 16 de março de 2015, de 1,596%, em 30 de março deste ano.

Os juros a cinco anos também estavam a recuar, para 0,606%, contra 0,623% na quarta-feira e depois de terem descido em 29 de março para o mínimo de sempre de 0,251%.

No mesmo sentido, no prazo de dois anos, os juros caíam para -0,164%, contra -0,145% na quarta-feira e o mínimo de sempre, de -0,401%, em 05 de dezembro de 2017. Os juros da Irlanda recuavam em todos os prazos e os da Grécia desciam a cinco anos e subiam a 10 anos.

Juros da dívida soberana em Portugal, Grécia, Irlanda, Itália e Espanha cerca das 08:30:

2 anos…5 anos…10 anos

Portugal

17/05……-0,164….0,606……1,778

16/05……-0,145….0,623……1,795

Grécia

17/05…….n.disp…3,392……4,339

16/05…….n.disp…3,396……4,335

Irlanda

17/05……-0,454….0,088……1,049

16/05……-0,461….0,068……1,019

Itália

17/05…….0,025….0,901……2,093

16/05…….0,074….0,933……2,112

Espanha

17/05……-0,320….0,273……1,394

16/05……-0,313….0,286……1,405

Fonte: Bloomberg Valores de ‘bid’ (juros exigidos pelos investidores para comprarem dívida) que compara com fecho da última sessão.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Juros da Dívida

O aviso que vem de Itália /premium

Helena Garrido
441

O Governo seguiu uma política económica arriscada e agora Portugal pode ficar de novo em risco de ser abalado por uma tempestade financeira como se vê pelos efeitos que já tivemos da crise italiana.

Trabalho

Os super-homens não existem /premium

Pedro Afonso

Em vez de discutir o limite dos 70 anos, o Governo deve olhar para os que têm o direito de manter uma vida ativa até à idade da reforma, mas com um horário e funções laborais ajustadas à sua idade.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)