Timor-Leste

Primeiro-ministro timorense não se demite de gestão de enclave de Oecusse

O primeiro-ministro timorense e líder da Fretilin declarou que não se vai demitir da liderança da administração regional de Oecusse, apesar da derrota eleitoral.

ANTONIO DASIPARU/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O primeiro-ministro timorense e líder da Fretilin, segundo partido mais votado nas legislativas de sábado, declarou esta quinta-feira que não se vai demitir da liderança da administração regional de Oecusse, apesar da derrota eleitoral.

“Não falo sobre isso. É uma questão de concorrência de competências entre vários órgãos de Estado”, afirmou Mari Alkatiri, ao ser questionado pela Lusa sobre a exigência feita pela liderança da AMP, que venceu as eleições, para que apresentasse a demissão.

“Só me demito se houver alguma razão em termos de gestão, porque as eleições não foram para eleger o presidente da ZEESM. Foram eleições gerais”, disse o líder da Frente Revolucionária do Timor-Leste Independente (Fretilin), numa referência à Zona Especial de Economia Social de Mercado (ZEESM) na Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA).

Na terça-feira, os líderes da Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), Xanana Gusmão e Taur Matan Ruak, disseram esperar que Mari Alkatiri “se demita”, como prometeu, de responsável da região administrativa especial de Oecusse. “A nossa premissa eleitoral é de que, se vencêssemos, o senhor Mari se retirava. Segundo: o senhor Mari prometeu que, se não atingisse mais de 20 mil votos, ia resignar”, disse Taur Matan Ruak, “número dois” da AMP, em conferência de imprensa.

“Estamos à espera que ele resigne, como ‘gentleman’, como político, que cumpra a sua palavra”, acrescentou Xanana Gusmão, líder da AMP.

Os comentários surgiram na sequência da vitória da AMP nas legislativas de sábado, em que a coligação da oposição conquistou uma maioria absoluta de 34 lugares entre os 65 do Parlamento Nacional. Na Região Administrativa Especial de Oecusse-Ambeno (RAEOA), a AMP venceu a bateu Fretilin por uma diferença de mais de 11.600 votos.

A nível nacional, Oecusse foi a única região onde os votos no partido caíram em relação ao voto de julho de 2017, tendo subido em todos os outros municípios e na diáspora. Apesar de líderes da Fretilin continuarem a gerir a região, o partido obteve apenas 10.800 votos contra os mais de 22.400 da AMP.

A derrota levou Arsénio Bano – que ficou a assumir o cargo de presidente interino da RAEOA em substituição de Mari Alkatiri, quando este assumiu o cargo de primeiro-ministro em 2017 – a apresentar um pedido de desculpas na rede social Facebook.

O voto de sábado deu à AMP mais de 305 mil votos, ou 49,56% do total, o que permite que forme o VIII Governo constitucional sem necessitar de qualquer apoio adicional.

Em segundo lugar ficou a Fretilin, que liderou a coligação minoritária do anterior Governo, e que obteve cerca de 211 mil votos, ou 34,27% do total, mantendo o mesmo número de deputados, 23. No Parlamento estará também o Partido Democrático (PD), parceiro da Fretilin no VII Governo, que perdeu dois deputados para ficar com cinco, tendo obtido quase 49 mil votos ou 7,95% do total.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Religião

O Dia Mundial da Religião

Donizete Rodrigues

O Dia Mundial da Religião é um momento ecuménico para promover a convivência, o interconhecimento e o diálogo inter-religioso, buscando um futuro livre de preconceito, discriminação e intolerância.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Futebol

Sobre o futuro próximo de José Mourinho

António Bento

No frio e previsivelmente longo Inverno de 2018-2019 a pele de José Mourinho não é boa de se vestir, como se vê por uma parte significativa das suas declarações à imprensa desde que foi despedido.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)