Cinema

Três filmes para ver esta semana

A segunda aventura de Deadpool, o super-herói mutante e cínico, um filme de fantasmas do japonês Kiyoshi Kurosawa, e "Nunca Estiveste Aqui", são as escolhas de Eurico de Barros esta semana

Ryan Reynolds volta a vestir o uniforme do mutante e gozão Deadpool no segundo filme desta série da Marvel

Autor
  • Eurico de Barros

“Deadpool 2”

O super-herói mercenário, mutante, gozão e com um sentido de humor muito retorcido, que permitiu a introdução da comédia “screwball” ultraviolenta neste formato, está de regresso para um segundo filme, de novo interpretado por Ryan Reynolds, mas agora sem Tim Miller, o realizador do original. Miller afastou-se do projecto devido a “divergências criativas” com Reynolds, que é também um dos co-produtores desta série da Marvel, tendo sido substituído por David Leitch (“Atomic Blonde-Agente Especial). Nesta parte 2, Wade Wilson/Deadpool forma, com outros mutantes como ele, um grupo baptizado X-Force, com a intenção de proteger do vilão Cable (Josh Brolin) um jovem mutante, Russell Collins/Firefist. A rodagem de “Deadpool 2” ficou tragicamente marcada pela morte de uma “dupla”, Joi Harris, num acidente de moto. T.J. Miller, Morena Baccarin, Bill Skarsgard, Eddie Marsan, Zazie Beetz, Leslie Uggams e Terry Crews constam também do elenco da fita. Os produtores da série já anunciaram que querem fazer pelo menos mais três filmes de “Deadpool”.

” O Segredo da Câmara Escura”

Rodado em França, “O Segredo da Câmara Escura” é o primeiro filme feito fora do seu país pelo japonês Kiyoshi Kurosawa, grande autor de policiais e filmes fantásticos de terror como “Cure”,,”Loft”, “Castigo” ou “Rumo à Outra Margem”. Interpretado por Olivier Gourmet, Tahar Rahim e Constance Rousseau, “O Segredo da Câmara Escura” contempla uma história de fantasmas soturna e malsã, centrada num fotógrafo de moda (Gourmet) que se retirou da profissão para, no seu palacete nos arredores de Paris (que poderá estar assombrado pelo espectro da mulher suicida), reproduzir rigorosa e obsessivamente velhos daguerreótipos em tamanho natural; na filha deste e sua modelo (Rousseau); e no seu novo e jovem assistente (Rahim). Kurosawa instala, gradualmente, uma atmosfera fantasmagórica mais próxima das narrativas de terror clássicas nipónicas do que dos modelos ocidentais do género, associando a fotografia ao mundo sobrenatural, pese embora a fita, na parte final, se torne forçada, e depois abertamente inverosímil, por falhas na escrita do argumento.

“Nunca Estiveste Aqui”

A realizadora britânica Lynne Ramsey vai beber no modelo do filme sobre “vingadores urbanos” dos anos 70 e 80 para aqui o “desconstruir”. Joaquin Phoenix interpreta Joe, um veterano do Iraque e antigo agente do FBI que aluga os seus serviços para recuperar adolescentes desaparecidos ou vítimas de pedófilos. Joe não o faz apenas por dinheiro, nem por indignação cívica ou fúria justiceira, como os heróis dos filmes tradicionais deste subgénero do policial de acção. Fá-lo porque, como nos é mostrado em “flashbacks”, foi vítima de violência doméstica, e talvez mesmo molestado sexualmente, e terá cometido atrocidades no teatro de guerra. Joe faz o que faz porque ficou traumatizado e está a expiar culpas. Contratado por um importante político novaiorquino para salvar a sua filha menor de um bordel pedófilo, Joe, uma vez cumprida a missão, percebe que se meteu numa daquelas conspirações que envolvem desde a polícia até políticos poderosos. “Nunca Estiveste Aqui” foi escolhido pelo Observador como filme da semana, e pode ler a crítica aqui.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ensino Superior

As propinas: uma história muito mal contada

Jose Bento da Silva

A questão não são as propinas. Isso é de fácil resolução. O desafio é: qual o modelo de gestão que queremos para as nossas universidades? O modelo atual não passa de um circo pago pelos contribuintes.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)