A semana horribilis do Sporting terminou como começou: violenta. E confusa, muito confusa. Antes mesmo de rolar a bola no Jamor, já há PSP se tinha visto obrigada a deter adeptos leoninos, a maioria por ter consigo artefactos pirotécnicos, outros por ofensas à integridade física qualificada. Houve jornalistas agredidos em reportagem mas houve igualmente agressões entre adeptos. Ou melhor, entre membros da claque Diretivo Ultras XXI. Não era tudo.

Já no interior, nas bancadas, Jaime Marta Soares, o presidente da mesa da Assembleia Geral do clube de Alvalade, não subiria à tribuna (na ausência de Bruno de Carvalho poderia ter sido ele a representar o clube) mas sentar-se-ia a poucos metros desta, num lugar comum, rodeado de adeptos comuns. E seria diversas vezes ofendido, antes e durante a partida, chegando até a afastar-se por instantes para só lá regressar quando os ânimos estavam já serenos.

À chegada a perder ao intervalo os adeptos, talvez esperançosos na reviravolta, reagiram com aplausos. Ao segundo golo do Aves reagiram com abandono e violência. Largas centenas não tardaram a deixar o Estádio Nacional. Avistavam-se cada vez mais clareiras nas bancadas. Muitos não assistiram sequer ao golo do Sporting, por Montero, outros fizeram marcha-atrás (aqueles que ainda contornavam o relvado do Estádio Nacional) e voltaram para aplaudir os seus a cada novo cruzamento (o tempo extra foi de um sufoco imenso), cada novo remate à baliza de Quim. Mas aquele segundo golo avense também geraria violência. E houve cadeiras, vindas do topo onde estavam as claques do Sporting, arremessadas na direção da polícia, que rapidamente (e usando de alguma força) se reforçou e serenou tudo.

Terminado o encontro, e derrotado o Sporting, esperavam-se apupos — ouviram alguns, poucos — mas os adeptos preferiram aplaudir os jogadores, cabisbaixo e visivelmente emocionados no relvado. Foi apoio que não durou.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

E bastaria que subissem à tribuna para receber as respetivas medalhas para que tudo se alterasse e dezenas de adeptos leoninos, irritados, quase no limite da agressão física, os ofendessem enquanto percorriam a escadaria. Só a intervenção da polícia (foi preparado um cordão de segurança na subida) foi impedindo que acontecesse algo pior.

No entanto, ao perceber que os jogadores choravam, acabaram os apupos (Patrício, esse, escutou-os até ao fim) e chegaram mesmo a escutar-se palavras (e breves gestos) de reconforto. Um adolescente em concreto, descontrolado, a lacrimejar compulsivamente, já quase afónico de tanto praguejar, continuaria, sozinho, a ofender os jogadores, tentando mesmo agredir com uma estalada Patrício. Não conseguiu. Mas acabou por não ser identificado pelas autoridades. Porquê? Eduarda Proença de Carvalho, vice-presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting que assistiu ao encontro ao lado de Jaime Marta Soares, afastou-o, dizendo-lhe breves palavras ao ouvido. Também o próprio Marta Soares o acarinhou com uma festa no rosto.

À descida, regressados os atletas e a equipa técnica ao relvado, tudo acabaria por ser diferente. Havia ainda quem muito chorasse. Palhinha era o que menos controlava a desilusão no rosto. Mas todos aqueles que minutos antes os ofendiam, partilhavam desta feita as lágrimas com os jogadores. Estranhamente partilhavam-nas. Mais: desculpavam-se e, um por um, jogador a jogador, começaram a pedir que não abandonassem o Sporting, que não rescindissem. Bas Dost chegou até a escutar o cântico (uma apropriação futebolística de “Thunderstruck” dos AC/DC) que só escuta quando acerta nas redes — e nesta tarde até nem acertou.

Os adeptos do Sporting estão a viver uma espécie de “esquizofrenia” coletiva. E o que a próxima semana vai trazer, das duas uma, ou a agudiza, ou a resolve. A palavra está agora do lado dos (ora apupados, ora saudados) jogadores.

Um dia de Jamor: a cerveja, o porco no espeto, a confusão e as detenções (que foram 22)