Cuba

Companhia mexicana envolvida em queda de avião em Cuba já tinha queixas por segurança

Transportadora mexicana autorizava bagagem acima do limite em voos para Cuba a partir de Guiana. Autoridades guianesas dizem que a Damojh foi banida do seu espaço aéreo no ano passado.

Alejandro Ernesto/EPA

A companhia aérea mexicana que detém o avião que caiu em Havana na sexta-feira, causando 110 mortos, já tinha sido alvo de duas queixas na última década, revela uma investigação da Associated Press.

Citando autoridades da Guiana, a agência de notícias dos Estados Unidos revela que a companhia aérea mexicana Damojh foi banida do espaço aéreo deste país sul-americano no ano passado.

Isso aconteceu depois de as autoridades guianesas terem descoberto que a tripulação da transportadora mexicana estava a autorizar bagagem acima do limite nos voos com destino a Cuba, disse à AP o diretor da aviação civil guianesa, Egbert Field.

Na sexta-feira, um Boeing 737, construído em 1979, despenhou-se poucos minutos depois de ter levantado voo, em direção a Holguín, num campo de cultivo a cerca de um quilómetro do terminal 1 do Aeroporto Internacional José Martí, em Havana.

A queda do avião provocou 110 mortos, onze dos quais estrangeiros, e três feridas, todas cubanas, que estão internadas no hospital Calixto García, em Havana, em condição estável, mas com “prognóstico reservado”.

O avião e a tripulação foram contratados pela companhia nacional Cubana de Aviación à mexicana Damojh. O ministro dos Transportes cubano, Adel Yzquierdo Rodriguez, adiantou que o avião estava a ser usado há menos de um mês e que a manutenção estava a cargo da companhia mexicana.

“Para nós, é normal alugarmos aviões. Porque é conveniente e por causa do bloqueio [dos Estados Unidos]. Por vezes não conseguimos comprar os aviões de que precisamos e, portanto, alugamo-los”, explicou o governante.

Segundo as autoridades mexicanas, a Damojh tem autorização para fretar aparelhos e o seu programa de manutenção passou num controlo realizado em novembro do ano passado.

Porém, segundo o piloto na reforma Ovidio Martinez Lopez, que trabalhou para a Cubana de Aviación durante mais de 40 anos, relatou no Facebook — e confirmou-o à AP — um incidente com a companhia mexicana, datado de 2010 ou 2011, em que um avião desapareceu do radar, levando as autoridades civis cubanas a suspenderem piloto e co-piloto por “graves questões técnicas” e a emitirem uma recomendação formal à companhia aérea nacional cubana para deixar de fretar aparelhos e tripulantes à Damojh.

O Governo mexicano garantiu, no sábado, que as autoridades nacionais de aviação civil vão desencadear uma auditoria à Damojh para verificar se “as atuais condições operacionais estão de acordo com as regulamentações” e enviar uma equipa de investigadores a Cuba.

Uma das caixas negras do avião foi recuperada “em boas condições”, mas as causas do acidente estão ainda por apurar.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)