Rádio Observador

Festival de Cannes

Cannes. Da rainha Cate Blanchett a 6 coisas muito más na passadeira vermelha

275

Foram 12 dias de festival com a Riviera Francesa como pano de fundo. Pela passadeira vermelha de Cannes passaram dezenas de estrelas. Cate Blanchett bateu-as a todas numa lição de classe e estilo.

O desfile de vaidades chegou ao fim no último sábado. Por muito exuberantes que estivessem a pisar a passadeira vermelha de Cannes, nenhuma modelo brasileira fez sombra a Cate Blanchett, presidente do júri desta edição do festival. Enquanto grandes estrelas de Hollywood desfilaram ao abrigo dos seus contratos de exclusividade com grandes marcas de alta-costura — foi o caso de Kristen Stewart com a Chanel e de Léa Seydoux com a Louis Vuitton — a atriz australiana, que completou no dia 14 de maio 49 anos, soube escolher o melhor que as quatro grandes capitais da moda (Nova Iorque, Londres, Milão e Paris) tinham para lhe oferecer.

Olhando para as aparições de Cate na red carpet, Giorgio Armani pode ter sido a opção mais recorrente. Mas houve lugar para surpresas, entre elas o vestido bordado de Mary Katrantzou, inspirado nos livros paint by numbers, e o complexo jogo de transparências e aplicações tridimensionais do vestido da designer holandesa Iris van Herpen. A atriz usou ainda criações Alexander McQueen e Givenchy. Fora do grande corredor vermelho e em momentos mais informais, as escolhas de Blanchett recaíram sobre fatos de corte impecável e em tons pastel, um de Stella McCartney e outro Calvin Klein.

Oito looks de Cate Blanchett em Cannes, a começar no canto superior esquerdo e no sentido dos ponteiros do relógio: vestido preto de renda Giorgio Armani, os deis seguintes (um branco e o preto) são assinados pelo mesmo criador, macacão preto Givenchy, vestido bordado Mary Katrantzou, vestido Iris van Herpen, vestido preto e vermelho (com um grande laço nas costas) Alexander McQueen e, por fim, mais uma criação da casa Givenchy © Getty Images

Também Sara Sampaio se fartou de fazer disparar flashes. Zuhair Murad, Roberto Cavalli, Elie Saab e Ralph & Russo foram as escolhas da modelo internacional portuguesa para a passadeira vermelha e festas. Na sua última aparição na red carpet, Sara exibiu um visual extravagante, protagonizado por um vestido branco da dupla Ralph & Russo. Um dia depois, a modelo francesa Cindy Bruna apareceu com um vestido semelhante de Ashi Studio. Descubra as diferenças, se bem que a mais gritante é o facto de o vestido de Sara ser ligeiramente mais recatado. Mostra as pernas, mas não os mamilos como o de Cindy.

Descubra as diferenças: Cindy Bruna vs Sara Sampaio, Ashi Studio vs Ralph & Russo © Getty Images

Olhando para as restantes convidadas que, durante 12 dias de festival, percorreram a red carpet, vale a pena deixar alguns destaques. Depois de ter tirado os sapatos em plena passadeira vermelha, Kristen Stewart, sempre em Chanel, optou por um look muito mais confortável. Na última quinta-feira, a atriz não só saiu de casa (ou melhor, do hotel) de rasos, como apostou todas as fichas num visual boyish cheio de classe. Foi arriscado, mas fez sucesso. Embora tenha sido logo nos primeiros dias do festival, convém não esquecer que Julianne Moore passou por lá e com um vestido vermelho Givenchy de fazer parar o trânsito. Dias depois, as atenções viraram-se para o Valentino de Amber Heard.

Kristen Stewart em Chanel, Julianne Moore em Givenchy, Amber Heard em Valentino e Kendall Jenner em Schiaparelli © Getty Images

Arriscando já um top 5, o Schiaparelli de Kendall Jenner e o Prada de Lupita Nyong’o na Chopard Secret Night Party também não ficaram nada mal na fotografia. Um top 7: o macacão branco Armani de Marion Cotillard e o vestido Chanel preto da atriz Chloë Sevigny. Cabe uma oitava classificada? Continuem a vestir Louis Vuitton a Léa Seydoux. Está tudo certo.

Lupita Nyong’o em Prada, Marion Cotillard em Armani, Chloë Sevigny em Chanel e Léa Seydoux em Louis Vuitton © Getty Images

Lá por estarmos a falar de Cannes, não quer dizer que não tenha havido coisas más. Vamos mais longe e falar das muito más. Palavras não são preciso muitas, quase nenhumas. O melhor é mesmo olhar para as imagens e ver Blanca Blanco a ser ela mesma, Michelle Rodriguez a perder a noção do que a favorece, a designer Larisa Katz a tentar levantar voo, fungos a crescerem no vestido de Elena Lenina, a lingerie nupcial da DJ Chantel Jeffries e o outfit da socialite israelita Hofit Golan, cujo autor é, imagine-se, João Rôlo. Estava bom de ver.

A começar no canto superior esquerdo e no sentido dos ponteiros do relógio: Blanca Blanco, Elena Lenina, Michelle Rodriguez, Chantel Jeffries, Hofit Golan e Larisa Katz © Getty

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)