CDS-PP

Nuno Magalhães: “É também importante que o PSD faça o seu trabalho” para a maioria parlamentar

Líder parlamentar do CDS diz que no trabalho para chegar aos 116 deputados no Parlamento é importante que o PSD faça a sua parte e destaca a capacidade de iniciativa dos centristas.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O líder parlamentar do CDS, Nuno Magalhães, defende que o PSD deve fazer “o seu trabalho” no sentido de se atingirem os 116 deputados entre os dois partidos. Em entrevista à TSF, afirmou: “Quanto ao PSD reitero aquilo que digo, se o nosso objetivo é ter uma maioria de 116 deputados é também importante que o PSD faça o seu trabalho”.

No dia em que os centristas arrancam com as jornadas parlamentares em Viana do Castelo, Nuno Magalhães sublinha a maior capacidade de iniciativa do CDS e exemplifica com o projeto de resolução sobre fundos europeus, que vai a votos no dia 21 de junho. O projeto do CDS defende que Portugal consiga um “bom acordo” no futuro quadro comunitário, sem redução nas verbas para a Política Agrícola Comum nem para a política de coesão.

Nuno Magalhães desafia o PS e o PSD a votar a favor do projeto, “já que o Governo e os outros partidos parecem escondidos sem dizerem ao que vêm, com acordos que não são conhecidos”.

Acho que quanto mais consenso houver a nível nacional melhor podemos negociar internacionalmente. Não vejo razão nenhuma para que PS e PSD não possam apoiar com o seu voto este nosso projeto e dar mais força a posição portuguesa”, defende.

Além disso, o líder parlamentar do CDS destaca que o partido é o único que já apresentou candidatos às eleições europeias do próximo ano — com uma lista liderada por Nuno Melo. “Mais uma vez antecipámos, somos os únicos [a ter candidatos]”, destacou. Aliás, o primeiro dia das jornadas parlamentares, esta segunda-feira, vai ser marcado pelas questões europeias.

Relativamente à questão da eutanásia, que vai a debate no próximo dia 29 de maio, Nuno Magalhães assegurou que toda a bancada do CDS vai votar contra os projetos apresentados por PS, Bloco e PAN, e destacou que o pediu que a votação seja nominal para que “toda a gente se assuma”, porque “podemos estar à beira de um retrocesso civilizacional.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)