Harvey Weinstein deve entregar-se à polícia de Nova Iorque esta sexta-feira, noticia o The New York Times, citando fontes não identificadas, no âmbito da investigação às acusações por crimes sexuais contra o ex-produtor feitas por dezenas de mulheres.

De acordo com a imprensa norte-americana, o ex-produtor deve ser acusado relativamente ao caso de Lucia Evans, que acusou Harvey Weinstein de a obrigar a fazer sexo oral em Nova Iorque em 2004 quando esta era ainda uma uma aspirante a atriz. O ex-produtor pode vir a ser acusado de mais crimes.

A justiça norte-americana está, desde outubro do ano passado, a investigar as acusações feitas por dezenas de mulheres, várias delas publicamente, de assédio sexual, agressão sexual e até violação, ao longo de três décadas. Em muito desse tempo, Harvey Weinstein foi casado. Primeiro com Eve Chilton, depois com Georgina Chapman, tendo cinco filhos destes casamentos. O realizador e produtor, foi co-fundador da Miramax, tendo mais tarde fundado a sua própria produtora, a Weinstein Company.

O impacto do caso rapidamente tomou outras proporções: vários homens e mulheres denunciaram o assédio e abusos que tinham sofrido durante vários anos nas mais variadas áreas, como o entretenimento, o desporto ou a música, naquilo que ficou conhecido como o movimento #MeToo. O ator Kevin Spacey, o antigo médico da seleção americana de ginástica Larry Nassar e o maestro James Levine foram algumas das pessoas que viram os seus nomes mencionados.

A teia de Harvey Weinstein