Não vai ser necessário esperar muito para vermos o primeiro automóvel eléctrico da Audi de nova geração, com o construtor alemão a prever a apresentação do e-tron já para Agosto. Contudo, este não será o único veículo eléctrico da marca alimentado por baterias, com o fabricante a planear ainda modelos mais simples e acessíveis. A surpresa, contudo, veio do responsável pela Comunicação de Produto e Tecnologia da marca, Peter Oberndorfer, que confessou que a Audi está igualmente a desenvolver um superdesportivo 100% eléctrico.

Para Oberndorfer, é perfeitamente possível para a Audi, que já fabrica o R8 com motor V10 a gasolina com mais de 600 cv, produzir também um supercarro com dois motores eléctricos, alimentados por bateria, com o dobro da potência. O problema, para este quadro alemão, está nas baterias, que necessitam de evoluir até estarem à altura das necessidades de um veículo deste tipo. Os actuais acumuladores de iões de lítio, os mais eficazes e com maior densidade energética, são ainda pesados, caros e delicados de carregar (e descarregar) muito rapidamente, aquecendo em excesso. Para o supercarro eléctrico da Audi ver a luz do dia, é necessário que estejam disponíveis versões mais eficientes das baterias sólidas, que já existem, mas que precisam de evoluir um pouco mais.

Os packs de baterias de iões de lítio convencionais são compostos por uma série de pequenas células (pouco maiores do que as pilhas de formato AA) com dois elétrodos, o ânodo e o cátodo, entre os quais “viajam” os electrões (gerando a corrente) através de um meio líquido, o electrólito. Apesar de serem as mais eficientes, a verdade é que são pesadas, caras e não gostam muito de serem recarregadas muito depressa, aquecendo e degradando-se.

Peter Oberndorfer

Já as baterias sólidas de que Oberndorfer fala são mais simples, têm menos peças, são mais leves e serão muito mais baratas (em breve), além de terem maior densidade energética e aceitarem cargas muito mais rápidas. O segredo? É o vidro, o electrólito sólido que substitui o electrólito líquido, apesar do arranjo molecular do vidro estar mais próximo destes últimos.

De acordo com Peter Oberndorfer, a nova tecnologia de baterias vai permitir construir desportivos eléctricos mais leves e, como as baterias vão ser igualmente mais pequenas, vão limitar menos o design, dando origem a modelos mais elegantes e atraentes. E daí que este responsável esteja já a pensar num supercarro eléctrico para um futuro próximo, um modelo que poderá estar bastante próximo de uma versão de estrada do actual Audi e-tron Gran Turismo Concept, que se tem exibido em provas da Fórmula E.