Petróleo

Ambientalistas temem repetição de derrames na costa alentejana

Grupo ambientalista teme que prospeção e exploração de petróleo ao largo de Aljezur (Algarve) possa provocar derrames de crude como os que atingiram a costa alentejana na década de 1980.

LUÍS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Um grupo ambientalista disse este sábado temer que a prospeção e exploração de petróleo ao largo de Aljezur (Algarve), na chamada bacia do Alentejo, possa provocar derrames de crude como os que atingiram a costa alentejana na década de 1980.

“Durante muitos anos convivemos com praias com resíduos de alcatrão e por algum tempo até o turismo e as pescas pararam”, resumiu Eugénia Santa Bárbara, do movimento Alentejo Litoral pelo Ambiente, lembrando as consequências do acidente com o navio Marão, em 1989, que provocou um derrame de crude que se alastrou entre Sines e Almograve.

Em declarações à Lusa, aquela responsável frisou que embora a origem do derrame, na altura, se tenha ficado a dever a outras causas, o mesmo pode acontecer “com um furo a três mil metros de profundidade”, que acarreta “riscos enormes do ponto de vista ambiental”, afetando tanto o mar como o território terrestre.

Eugénia Santa Bárbara falava à agência Lusa durante uma iniciativa promovida pelo grupo Alentejo Litoral pelo Ambiente (ALA) contra o furo em Aljezur, designada “Caminhar pelo Mar”, que decorreu hoje de manhã em Odemira e que se repete no domingo em Sines, às 10:00, com ponto de encontro no Jardim das Descobertas.

De acordo com a ambientalista, o polo industrial de Sines, cidade onde será instalada a base logística que prestará apoio às operações de prospeção do consórcio Eni/Galp, já originou “imensos problemas ambientais” naquela região.

“Com exceção do polo industrial de Sines, o turismo e a pesca são atividades muito importantes no litoral alentejano e que estão muito ligadas à nossa identidade e relação com o mar”, sublinhou.

Na década de 1980 aconteceram em Sines dois graves acidentes ambientais: a explosão do petroleiro “Campeón” ao largo de Sines, em 15 de Agosto de 1980 e o derrame de crude do navio “Marão”, em Julho de 1989.

Falando em nome do grupo ambientalista a que pertence, Eugénia Santa Bárbara disse que a dispensa de Avaliação de Impacto Ambiental (AIA) causou “revolta” e “indignação”, já que era “o mínimo dos mínimos” que se exigia que fosse feito pelo Governo. “A mesma lei que pode isentar de AIA, pode também obrigar à realização de AIA e nós não esperámos nunca que fosse esta a posição tomada pelo ministro do Ambiente, daí termos pedido a sua demissão”, concluiu.

A 16 de maio, no último dia do prazo previsto, a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) dispensou de estudo de impacto ambiental a prospeção de petróleo ao largo de Aljezur pelo consórcio Eni/Galp.

O presidente da APA, Nuno Lacasta, justificou a decisão referindo que “não foram identificados impactos negativos significativos” na realização do furo de prospeção petrolífera. Antes da atividade de perfuração daquele que será o primeiro furo de pesquisa de hidrocarbonetos em Portugal, haverá um período de preparação com a duração aproximada de três meses.

O furo deverá avançar entre setembro e outubro, na área “offshore” denominada bacia do Alentejo, a 46 quilómetros de Aljezur. A fase de preparação decorrerá numa base logística, em Sines, situada a aproximadamente 88 quilómetros do local da sondagem.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Partidos e Movimentos

Uma alternativa à Geringonça

Carlos Guimarães Pinto
277

As hipóteses eleitorais da Iniciativa Liberal são as de um partido novo sem figuras do sistema politico-mediático nem apoio de um grupo de comunicação como sucede com Santana/Impresa e Ventura/Cofina.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)