Pelo menos 40 pessoas foram dadas como desaparecidas no Iémen após a passagem do ciclone Mekuno na península Arábica que causou a morte a uma rapariga de 12 anos, divulgou a polícia.

Partes da cidade de Salalah, a terceira maior de Omã, e onde residem 200 mil pessoas, ficaram sem eletricidade quando o ciclone atingiu a região.

Na noite de sexta-feira, a polícia divulgou que pelo menos uma pessoa, uma rapariga de 12 anos, morreu durante a tempestade.

A passagem do ciclone na ilha de Socotra, no Iémen, resultou no desaparecimento de 40 pessoas.

Os metereologistas, que estão a acompanhar o ciclone, preveem rajadas de vento superiores a 180 quilómetros por hora.

O Sultanato de Omã, que faz fronteira com o Iémen e com o mar da Arábia, já tinha anunciado ter tomado as devidas precauções caso o ciclone viesse a atingir o país.

Na quarta-feira, cerca de 150 famílias tiveram de ser retiradas do arquipélago iemenita, devido à passagem do Mekunu, o primeiro ciclone tropical deste ano no oceano Índico norte, indicaram fontes oficiais iemenitas.

O Iémen pediu então ajuda a associações humanitárias e à coligação militar liderada pela Arábia Saudita.