O ator Morgan Freeman continua na mira da imprensa internacional. Depois de ter sido acusado de assédio sexual por oito mulheres, numa polémica reportagem assinada pela CNN, há uma nona alegada vítima, jornalista, que veio contar a sua história num artigo escrito na primeira pessoa que foi publicado esta sexta-feira na revista People. Maggie Parker, que frequentemente colabora com aquela publicação, veio a público revelar o comentário desagradável que o ator de 80 anos fez quando ela o entrevistou em 2013.

Parker tinha 25 anos quando conheceu Freeman na antestreia do filme “Mestres da Ilusão”. À data, a trabalhar para uma publicação masculina, estava a fazer uma mesma pergunta a todos os atores que protagonizam o filme: “Se conseguisse fazer um truque de magia, qual seria?”. A isso, Freeman responde que o truque por ele escolhido seria deixá-la completamente nua. A resposta em inglês, “You wouldn’t have a stitch on…how about that?”, significa precisamente “não estar a usar qualquer roupa”, como explica a jornalista no artigo que assina. A conversa ficou registada em vídeo.

Praticamente cinco anos depois, nunca me vou esquecer do meu vestido menta que pareceu estar a ser despido pelo olhar de Freeman. E, ao mesmo tempo, nunca me vou esquecer de que me senti ligeiramente lisonjeada — um ator de idade muito, muito famoso disse-me que eu era atraente. Não por essas palavras. Mas disse-o. (…) À medida que fui ficando mais velha, comecei a aperceber-me aos poucos o quão errado foi o comentário dele e o embaraço instalou-se. Fiquei envergonhada por não ter ficado mais afetada por isso, por não ter feito nada posteriormente. Não reconheci o desconforto que senti. Estava tão acostumada a isso”, escreve Maggie Parker no respetivo artigo.

A jornalista torna-se, assim, a nona mulher a falar contra o ator já premiado pela indústria cinematográfica. Antes dela, oito mulheres, incluindo uma outra jornalista que também assina a reportagem da CNN, descreveram comportamentos inapropriados protagonizados por Freeman: alguns deles foram captados em vídeo.

O certo é que as recentes alegações de conduta inapropriada já estão a ter consequências, mesmo tendo o ator pedido duplamente desculpas. A empresa norte-americana Visa suspendeu todos os laços com Morgan Freeman após a divulgação da investigação da CNN. “Estamos cientes das alegações que foram feitas contra Morgan Freeman. De momento, a Visa vai suspender a publicidade em que o ator aparece”, conta a CNN. O ator dá voz a vários anúncios televisivos da empresa de serviços financeiros criada em 1958.

Mas há mais: o sindicato americano de atores Screen Actors Guild, que distingue a excelência em cinema e televisão, está a ponderar retirar o prémio carreira que Freeman recebeu em janeiro. “Qualquer pessoa acusada tem o direito ao devido processo legal, mas o nosso ponto de partida é acreditar nas vozes corajosas que se apresentam para denunciar incidentes de assédio. Dado que Freeman recentemente recebeu uma das mais prestigiosas honras da nossa fundação, estamos a rever quais as ações de correção que podem ser necessárias neste momento”, disse um porta-voz do sindicato.

O vencedor de um Óscar pelo desempenho em “Million Dollar Baby – Sonhos Vencidos” já disse estar “devastado” pelo facto de os seus 80 anos de vida correrem o risco de serem desvirtuados por causa desta situação. “Não criei ambientes de trabalho inseguros. Não ataquei mulheres. Não ofereci trabalho ou promoções em troca de sexo e qualquer indício de que o fiz é completamente falso”, disse via comunicado de imprensa.