A Volvo anunciou que vai aumentar o volume de produção do novo Volvo XC40, na Europa e na China, face à elevada procura que o seu mais pequeno SUV está a registar, desde que foi introduzido no mercado.

Para alimentar os mercados europeus, o XC40 é fabricado nas instalações da Volvo em Ghent, Bélgica, ao passo que as unidades destinadas aos asiáticos saem da linha de Luqiao, China, sendo que qualquer uma das duas unidades fabris vai incrementar a produção, para evitar longas listas de espera. Desde o seu lançamento, o modelo contabiliza já cerca de 80.000 encomendas.

“O sucesso do XC40 superou até mesmo as nossas expectativas mais optimistas”, reconhece o presidente e CEO da Volvo Cars, Håkan Samuelsson. O mesmo nota que “o segmento dos SUV compactos é aquele que está a crescer mais rapidamente”, pelo que não será de surpreender se a Volvo quiser capitalizar o êxito do seu pequeno SUV na aguardada nova geração da V40 e V40 Cross Country, também elas partirem da Compact Modular Architecture (CMA), plataforma que a Volvo estreia no XC40, mas que também podemos encontrar noutra marca da chinesa Geely, a Lynk & Co – que se prepara para entrar na Europa. Por outro lado, para tirar ainda mais partido desta apetência do mercado por utilitários desportivos, é provável que a marca sueca avance para um crossover urbano, havendo já informações a apontar no sentido de um XC20.

Eleito Carro do Ano 2018 na Europa, o SUV compacto sueco tem tido um percurso comercial algo atribulado em Portugal, fruto de o XC40 AWD (tracção integral) ter sido homologado como classe 2 nas portagens nacionais. Algo que a marca sueca entende ser reversível, enquanto se prepara para homologar a versão com tracção apenas dianteira, a que tem maior potencial de vendas no mercado português.

Disponível com dois blocos a gasolina, um T3 com três cilindros, 1,5 litros e 152 cv, com caixa manual de seis velocidades, e um T5 de 247 cv, com transmissão automática Geartronic de oito relações, o SUV nórdico tem como motorizações diesel um D3 de 150 cv, com caixa manual de seis velocidades ou automática de oito, e um D4 de 190 cv, exclusivamente associado à transmissão Geartronic.

Lá mais para a frente, e enquanto não chega o XC40 100% eléctrico, começará a ser comercializada a versão híbrida plug-in, que a Volvo revelou em finais de Abril, no Salão de Pequim. Trata-se do T5 plug-in hybrid que, à semelhança do Lynk & Co 01 PHEV, deverá combinar um tricilíndrico a gasolina de 1,5 litros com um motor eléctrico. Pouco mais se sabe a este respeito, excepto o óbvio: vai prometer melhores consumos e menores emissões, se bem que o mais natural é que essa vantagem venha a ser debitada logo à cabeça num preço acrescido dessa versão face à restante oferta, cujos preços se iniciam nos 36.295€.