A Aliança de Mudança para o Progresso (AMP), que venceu com maioria absoluta as legislativas em Timor-Leste, quer formar “o mais rapidamente possível” um Governo que “responda às necessidades” do país, disse à Lusa um dirigente da coligação.

“Queremos ter Governo o mais rapidamente possível, mas sempre respeitando a Constituição. O resultado vai ser publicado esta segunda ou terça-feira e depois começamos a contagem dos 15 dias para o inicio da nova legislatura”, disse Fidelis Magalhães, dirigente da AMP, em declarações à Lusa.

Fidelis Magalhães falava à Lusa depois do presidente do Tribunal de Recurso ler o acórdão que valida os resultados das eleições antecipadas de 12 de maio, que vão ser agora publicados no Jornal da República.

Questionado sobre os preparativos da formação do VIII Governo, o dirigente rejeitou que haja “polémica” no seio da AMP – uma coligação de três partidos – atribuindo esses “rumores” a tentativa de causar instabilidade. “As polémicas são fabricadas para tentar criar o caos. Até agora está tudo a decorrer de forma pacífica”, disse.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Remetendo anúncios sobre a composição do Governo, incluindo sobre o cargo de primeiro-ministro, para mais tarde, Fidelis Magalhães explicou que o executivo terá a dimensão “necessária” para os desafios nacionais. “O Governo vai responder às necessidades da nação e do povo. O tamanho do Governo vai depender muito das necessidades e da capacidade da função pública, da administração pública e da necessidade em ter mais quadros de liderança política a gerir o andamento do Governo”, disse.

O Tribunal de Recurso timorense validou esta segunda-feira os resultados das legislativas de 12 de maio, confirmando a vitória com maioria absoluta da AMP, que vai controlar 34 dos 65 lugares no Parlamento Nacional.