Depois de um encontro surpresa no passado sábado, na região fronteiriça de Panmunjom, os líderes da Coreia da Sul e Coreia do Norte podem voltar em breve a surpreender o mundo e encontrar-se sem aviso prévio. A notícia foi dada pelo presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in. Citado pela agência Reuters, o líder sul-coreano disse: “O que há de mais importante a retirar da última cimeira entre Coreias é que os líderes entraram em contacto com facilidade, rapidamente marcaram um encontro nas suas agendas e foram lestos a disponibilizar-se para discutir temas urgentes”.

Sublinhando que não houve “formalidades nem procedimentos complicados” na marcação desse encontro do passado sábado, e que este foi “uma reunião informal”, Moon Jae-in apontou para a possibilidade de novos encontros em breve, antes da cimeira entre Coreia do Norte e Estados Unidos da América, que ambos concordaram ser necessária mas cuja realização tem tido avanços e recuos. Esta cimeira, contudo, está já a ser preparada por diplomatas de ambos os países.

Do lado norte-americano, Donald Trump tem também tido contactos diplomáticos antes de se encontrar com Kim Jong Un. Esta segunda-feira, o presidente dos Estados Unidos da América conversou por telefone com o primeiro-ministro japonês Shinzo Abe, a propósito das negociações com a Coreia do Norte. Os dois combinaram encontrar-se antes da cimeira que juntará o presidente americano a Kim Jong Un.

O resumo da conversa telefónica entre Trump e Abe foi feito em declaração oficial da Casa Branca. Os dois líderes políticos “afirmaram o imperativo comum de alcançar o desarmamento completo e permanente da Coreia do Norte”, revela o comunicado. Esse desarmamento terá de ser a nível “nuclear, químico, de armas biológicas e do programa de [produção de] mísseis balísticos” desenvolvido no país.