O Governo português condenou esta terça-feira com veemência o lançamento de morteiros desde a Faixa de Gaza para território israelita, considerando que “atos de violência contra alvos civis são sempre absolutamente injustificáveis”.

Em comunicado do Ministério dos Negócios Estrangeiros, o executivo apelou “à contenção de todos os atores, a fim de evitar o agravamento da tensão em Gaza, que em nada contribui para a paz, segurança e estabilidade regional”.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português reafirmou “a urgência de uma resolução pacífica da crise em Gaza e de criar condições para a retoma do Processo de Paz”.

O objetivo é encontrar “uma solução que leve à criação de dois Estados, assente na coexistência, em paz e segurança, de Israel e da Palestina”.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

O ataque a Israel com 28 morteiros, na manhã de hoje, foi reivindicado num raro comunicado conjunto pelos braços armados dos movimentos islamitas palestinianos Hamas e Jihad Islâmica.

O exército israelita retaliou, com uma operação que visou mais de 30 “alvos militares” em sete locais na Faixa de Gaza, em reação aos tiros de morteiros provenientes do enclave palestiniano.