Venezuela

Nicolás Maduro acusa União Europeia de ingerência interna

Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, condenou hoje a adoção, pela União Europeia, de novas sanções contra o país e acusou a instituição de querer "meter o nariz" nos assuntos internos do seu país.

Cristian Hernandez/EPA

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, condenou hoje a adoção, pela União Europeia (UE), de novas sanções contra a Venezuela e acusou a instituição de querer “meter o nariz” nos assuntos internos do seu país. “Aí vemos um comunicado dos ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia, que de maneira insolente pretende meter o nariz na vida interna da República bolivariana da Venezuela e repetem mentiras insolentes”, disse.

Nicolás Maduro falava durante um conselho federal de Governo, transmitido pela televisão estatal venezuelana. Segundo o Presidente da Venezuela, a partir da Europa olham para os venezuelanos “por cima do ombro”, mas “a Venezuela não é colónia de ninguém”.

“A Venezuela deve dizer: fora daqui a União Europeia. Já chega de intromissão”, frisou, insistindo que a Venezuela é um país democrático, que nos últimos 19 anos realizou 24 eleições, quatro delas em nove meses. Por outro lado, num comunicado divulgado pelo Ministério de Relações Exteriores da Venezuela, o Governo “condena energicamente” a posição da UE sobre as eleições presidenciais de 20 de maio último.

“A UE confirma a sua atitude de ingerência e hostil (…) resultado da evidente subordinação à errática política externa da administração de Donald Trump (Presidente dos EUA) para a Venezuela”, considerou. Segundo o documento, “nenhuma instância da UE, assim como nenhum dos seus Governos integrantes, conta com competência legal alguma, nem muito menos com acervo moral demonstrável, para questionar as decisões que o povo venezuelano toma no livre exercício da sua democracia”.

“As instituições europeias deveriam concentrar os seus esforços em atender e resolver os inúmeros e graves problemas e conflitos sociais, políticos, migratórios e económicos, de que se queixam diretamente os povos europeus, e para os quais não se vislumbram soluções viáveis e aceitáveis”, explica.

No comunicado, o executivo venezuelano disse que “sempre procurará manter relações de respeito mútuo e cooperação integral com a UE e os seus Estados-membros”, mas que “jamais aceitará intromissões provenientes de potência estrangeira alguma”, uma vez que o destino do país está “exclusivamente nas mãos dos venezuelanos”.

Os ministros dos Negócios Estrangeiros da União Europeia (UE) aprovaram na segunda-feira em Bruxelas a adoção de novas sanções contra a Venezuela, na sequência de umas eleições presidenciais que não consideram “nem justas, nem livres”.

“A UE atuará com rapidez, de acordo com os procedimentos estabelecidos, com o objetivo de impor novas medidas restritivas, dirigidas e reversíveis, que não prejudiquem a população venezuelana, cuja difícil situação a UE deseja aliviar”, sublinhou a declaração conjunta dos chefes da diplomacia do bloco comunitário.

Em 20 de maio, Nicolas Maduro venceu as eleições presidenciais antecipadas na Venezuela, com 68% dos votos, muito à frente dos seus concorrentes, mas com 54% de abstenção. A oposição boicotou a votação e denunciou a existência de fraude no escrutínio.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)