A Inglaterra não quer arriscar e já começou a treinar os penáltis para a eventualidade de ter que decidir um jogo dessa forma durante o Mundial. Treinar a marcação de penáltis até é algo normal, e haverá mais seleções que também já o estejam a fazer. Mas neste caso ganha peso por ser a Inglaterra: a seleção com o pior registo no desempate através da marcação de grandes penalidades em europeus e mundiais. Pensarão alguns que não passa de uma tentativa infrutífera de tentar combater aquilo que parece ser, há muito, o destino dos ingleses, mas o guarda-redes Jordan Pickford garante que o trabalho está a ser feito: “Não estamos a pensar já muito à frente [no Mundial], mas estamos a trabalhar para estarmos preparados”.

O guarda-redes do Everton diz que, muitas vezes, os penáltis não passam de uma “lotaria” e diz que se for preciso não terá qualquer problema em assumir a marcação de uma grande penalidade: “Não tenho qualquer problema com isso. Nunca marquei nenhum durante um desempate mas estou sempre a treinar”.

Uma sina que já vai longa

Apesar da confiança que demonstra, Pickford ainda não terá esquecido um célebre desempate da marca dos 11 metros, que aconteceu quando o guarda-redes tinha 10 anos. Não terá esquecido Pickford nem esqueceram, de certeza, os portugueses. Foi no dia 24 de junho de 2004, no Estádio da Luz. Portugal e Inglaterra jogavam os quartos-de-final do europeu e, depois de um empate 2-2 ao fim de 120 minutos (marcaram Hélder Postiga e Rui Costa para Portugal; Michel Owen e Frank Lampard fizeram os golos ingleses), o jogo foi para penáltis.

O desempate começou logo com Beckham a atirar a bola para a bancada. Mas os momentos mais marcantes ainda estavam para vir, e todos de seguida: primeiro, Hélder Postiga bateu Paul Robinson com um penálti à ‘Panenka’; depois, Ricardo fez a famosa defesa sem luvas, numa grande penalidade de Darius Vassell; e logo de seguida assumiu a marcação e rematou para a vitória.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

https://www.youtube.com/watch?v=MFUOCYQcs-Y&t=51s

Esta foi a primeira vez que a seleção inglesa caiu aos pés de Portugal. A segunda aconteceu dois anos depois, no Mundial 2006, disputado na Alemanha, novamente nos quartos-de-final. Mas a sina de Inglaterra começou antes disso e já vai atualmente com 28 anos. A primeira derrota aconteceu nas meias-finais do Mundial 1990, contra a Alemanha Ocidental.

Seis anos depois houve um misto de sensações no Euro 1996. Nos quartos-de-final, os ingleses eliminaram a Espanha a partir da marca dos 11 metros, mas perderam nas ‘meias’, com a Alemanha, num jogo em que o atual selecionador, Gareth Southgate, foi o único jogador a falhar. No Mundial 1998, perdeu com a Argentina nos oitavos-de-final. Seguiram-se as duas derrotas com Portugal e o desaire mais recente aconteceu no Euro 2012, contra a Itália. O balanço: seis derrotas e apenas uma vitória. Só a Itália iguala o número de derrotas de Inglaterra, mas a seleção transalpina tem mais vitórias (quatro).