Rússia-Ucrânia

Presidente ucraniano classifica como “brilhante” operação que fingiu assassinato de jornalista

O Presidente da Ucrânia afirmou que a operação para fingir o assassinato do jornalista opositor russo foi "brilhante". O líder ucraniano referiu que foi a forma de salvar Arkadi Bábchenko.

Arkadi Bábchenko, o jornalista que fingiu a sua morte, iria -- alegadamente -- ser assassinado pela Rússia

OMER MESSINGER/EPA

O Presidente da Ucrânia, Petró Poroshenko, classificou esta quinta-feira como “brilhante” a operação dos serviços secretos do seu país para fingir o assassinato do jornalista opositor russo, Arkadi Bábchenko, enquanto surgem críticas em todo o mundo que questionam a moralidade desta atuação.

“Ontem, na televisão, foi possível ver o resultado de uma brilhante operação efetuada por heróis do Serviço de Segurança da Ucrânia”, disse Petró Poroshenko num discurso transmitido pela televisão local.

O chefe de Estado acrescentou, numa clara alusão à Rússia, que através desta operação, em que o jornalista russo fez de morto para reaparecer horas mais tarde numa conferência de imprensa, “todo o mundo pôde ver a verdadeira cara do inimigo” da Ucrânia.

“Enviam camiões carregados de armas e dinheiro para matar ucranianos, jornalistas e políticos, e quando os apanhamos com a mão na massa dizem que não atuamos bem”, insistiu Poroshenko. O Presidente Poroshenko assegurou que “há que condenar é a Rússia” e não a Ucrânia.

Por sua vez, o ministro do Interior ucraniano, Arsén Avákov, manifestou a sua “surpresa” pelas declarações de algumas organizações internacionais a acusar os serviços secretos de enganarem a sociedade, que ficou emocionada com a notícia do suposto assassinato do jornalista.

“O que queriam? Que se matasse Bábchenko e assim a Amnistia Internacional e os Repórteres Sem Fronteiras poderiam falar de outro assassinato de um jornalista no nosso país?”, questionou Avákov.

Bábchenko, cuja morte violenta foi bastante difundida na noite de terça-feira, reapareceu na quarta-feira durante uma conferência de imprensa, para surpresa de todo o mundo.

O jornalista crítico do Kremlin, que abandonou a Rússia há um ano e meio após receber ameaças de morte, admitiu que cooperou no último mês com a inteligência ucraniana após ter sido avisado sobre um alegado plano para o seu assassinato que deveria ter acontecido na véspera da final da Liga dos Campeões.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Rússia-Ucrânia

Direito Internacional Russo /premium

Diana Soller

Tanto a Rússia como a Ucrânia usam como argumento principal a violação das normas do Direito Internacional pelo rival. Ambas têm razão. Só que Moscovo e Kiev estão a falar de coisas muito diferentes.

Ucrânia

Mais umas eleições falsas em Donbas

Inna Ohnivets

A Rússia não quis a paz em 2014 e não quer em 2018. A realização destas eleições fraudulentas é um sinal claro de que a Rússia optou por prolongar o conflito durante mais anos sob o mesmo cenário. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)