Rádio Observador

Fundo Monetário Internacional

Serão os pobres quem mais sofrerá com uma guerra comercial, diz FMI

176

Os pobres serão quem mais sofrerá com uma guerra comercial, disse a diretora-geral do FMI, após Washington suspender a isenção de taxas na importação do aço e alumínio da UE, México e Canadá.

PETE MAROVICH/EPA

Os pobres serão quem mais sofrerá com uma guerra comercial, disse a diretora-geral do FMI, Christine Lagarde, reagindo ao anúncio de Washington de suspender a isenção de taxas na importação do aço e alumínio da UE, México e Canadá.

“No final, se o comércio global foi muito prejudicado, se o nível de confiança entre os agentes económicos foi drasticamente reduzido, os que mais sofrerão serão os mais pobres”, disse Christine Lagarde no primeiro dia da reunião do ‘G7 Finance’ em Whistler, Canadá, explicando que são os mais pobres que compram bens de consumo baratos.

Também o secretário-geral da OCDE (Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico), Angel Gurria, reagiu à decisão dos Estados Unidos da América (EUA) defendendo a “salvaguarda do multilateralismo”.

“Estamos num momento crítico não apenas para o futuro do multilateralismo, mas também para o planeta”, disse o secretário-geral no final da reunião anual da OCDE.

“Devemos salvar o multilateralismo porque este é o único caminho a seguir”, advertiu.

Alemanha e França estão entre as primeiras vozes europeias que reagiram à decisão norte-americana, hoje divulgada, de suspender a isenção de taxas na importação de aço e de alumínio da União Europeia, qualificando a medida como “ilegal” e “injustificável”.

A chanceler alemã, Angela Merkel, que hoje terminou uma visita de dois dias a Portugal, considerou “ilegais” as taxas aduaneiras sobre o aço e o alumínio decididas pela administração norte-americana liderada pelo Presidente Donald Trump, advertindo ainda para o risco de uma escalada.

Do lado de Paris, o secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros francês, Jean-Baptiste Lemoyne, qualificou as taxas norte-americanas como “injustificáveis e insustentáveis” e pediu a Bruxelas para responder com medidas preventivas e de “reequilíbrio”.

Também o Reino Unido reagiu e declarou estar “profundamente dececionado” com a decisão norte-americana.

“O Reino Unido e outros países da União Europeia [UE] são aliados próximos dos Estados Unidos e deviam estar total e permanentemente isentos das medidas norte-americanas sobre o aço e o alumínio”, disse o porta-voz do Governo britânico.

O presidente do Parlamento Europeu, o italiano Antonio Tajani, manifestou-se “dececionado”, referindo que a UE vai responder com “todas as ferramentas” à sua disposição.

“Apoiamos os nossos trabalhadores e a indústria europeia e vamos responder com todas as ferramentas disponíveis para defender os nossos interesses”, escreveu Tajani, numa mensagem na rede social Twitter.

Antes, a UE já tinha anunciado que vai denunciar perante a Organização Mundial do Comércio (OMC) a decisão norte-americana de suspender a isenção dos direitos de importação de aço e alumínio, garantindo igualmente de que irá responder de forma “proporcional”.

“Os Estados Unidos não nos deixam agora outra escolha que não seja a de recorrer à resolução de litígios da OMC e à imposição de tarifas adicionais sobre diversas importações dos EUA. Vamos defender os interesses da União em total cumprimento da lei comercial internacional”, declarou o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

O Departamento do Comércio norte-americano anunciou hoje a suspensão da isenção dos direitos de importação de aço e alumínio da UE, Canadá e México, numa decisão que dispara as tensões comerciais e provocará represálias dos parceiros.

“Decidimos não estender a exceção para a União Europeia, Canadá e México, pelo que estarão sujeitos a tarifas de 25% e 10%” na importação de aço e alumínio”, respetivamente, indicou o secretário do Comércio dos EUA, Wilbur Ross.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)